06:00 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Degelo de geleira na Groenlândia

    Caverna encontrada na Espanha seria sinal assustador do aumento do nível do mar

    © AP Photo / David Goldman
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1271
    Nos siga no

    Cientistas analisam caverna na Espanha formada cerca de 5 milhões de anos atrás que daria pistas sobre um assustador aumento do nível do mar.

    Na ilha espanhola de Mallorca há uma caverna chamada Artà com estalagmites e estalactites formadas na época Plioceno. Analisando os depósitos de minerais no local, cientistas descobriram que as estruturas se formaram em um período quando a concentração de CO2 era semelhante à dos dias de hoje.

    Sendo assim, o clima daquela época seria semelhante ao atual, enquanto que o nível do mar era cerca de 16 m acima do de hoje, o que seria causado pela grande concentração de CO2 na atmosfera, revelou o estudo publicado na revista científica Nature.

    Uma das provas disso seria a própria presença das estalagmites e estalactites na caverna. Elas teriam sido formadas durante milhares de anos devido à ação da água do mar, quando a caverna se encontrava inundada.

    Isso levou os cientistas a crerem que os minerais da caverna são a prova de que o nível do mar esteve em determinada época superior ao atual, quando as condições climáticas de hoje eram semelhantes à da época passada.

    Para uma das participantes das análises, a geoquímica Oana Dumitru da Universidade do Sul da Flórida, Estados Unidos, as concentrações de CO2 atuais poderão causar o derretimento do gelo da Groenlândia e da Antártida ocidental. O efeito disto poderia ser o aumento do nível do mar em até 23,5 metros.

    Mais:

    Proteção da Amazônia é vital para conter aquecimento global, afirma MRE norueguês
    'Maior fraude da história': ex-presidente do Greenpeace rejeita aquecimento global
    Asteroide mudou nosso clima há 2,2 bilhões de anos, segundo cientistas
    Tags:
    Antártida, Groenlândia, Espanha, mar, mudanças climáticas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar