03:57 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Microscópio (imagem referencial)

    Cientistas resolvem um dos principais paradoxos do surgimento da vida humana

    © Fotolia / Photokanok_1984
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3113
    Nos siga no

    As células possuem pontos brilhantes que afinal são a chave para a compreensão da origem da vida.

    A primeira cientista a reparar nos pontos brilhantes foi Caitlin Cornell, que contou seu achado a Sarah Keller, também cientista química da Universidade Washington. As investigadoras ficaram muito impressionadas com a descoberta.

    Estrutura da célula

    As células de quase todos os seres vivos são compostas, apesar das suas infinitas variações, por três elementos fundamentais.

    O ADN e ARN – são moléculas de ácidos nucleicos que codificam a informação, sendo responsáveis pela transmissão hereditária.

    As proteínas – são uma grande variedade de moléculas que desempenham um papel fundamental para a vida e que formam os tecidos do corpo humano.

    Tudo isso fica encapsulado nas membranas, sendo esta a primeira linha de defesa das células.

    É precisamente o processo de formação das membranas que tem dado a pensar aos cientistas por muitos anos.

    O paradoxo

    As primeiras membranas celulares eram compostas por ácidos gordos. O problema é que, conforme é estimado, a vida surgiu nos oceanos salgados e certos íons que compõem o sal desestabilizam catastroficamente as esferas compostas por ácidos gordos. Isso representa um grande problema para a formação da vida, já que o ARN nos núcleos necessita destes íons.

    A pergunta que se coloca é como a vida poderia ter surgido no mar, quando seus elementos essenciais são os mesmos que destroem suas defesas? Caitlin Cornell e Sarah Keller acabam de encontrar a resposta para este paradoxo.

    Em sua investigação recente, elas demonstraram que as esferas são capazes de suportar tanto os íons do sal como do magnésio, desde que estejam na presença de aminoácidos, moléculas que são os blocos de construção das proteínas.

    Os pontos brilhantes que Cornell viu através de seu microscópio eram misturas de aminoácidos e ácidos gordos, que mantiveram sua forma mesmo na presença de sais.

    Isto significa que dois dos componentes essenciais da vida, a membrana de uma protocélula e suas proteínas, oferecem condições necessárias para que uma e outra existam. Ao se juntarem aos ácidos gordos, os aminoácidos lhes proporcionaram estabilidade. Por sua vez, os ácidos gordos concentram os aminoácidos, forçando-os a fundir-se em proteínas.

    Mais:

    Células microbianas desconhecidas dominam todos os habitats da Terra, afirma estudo
    Geólogos acham universo imenso de 'bactérias zumbis' nas profundezas da Terra
    Tags:
    cientistas, proteínas, ADN, célula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar