00:36 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Selfie tirada pela sonda Curiosity da NASA em Rock Hall, em Marte

    Rover da NASA envia FOTOS de Marte que aumentariam probabilidade de encontrar sinais de vida

    © NASA. NASA/JPL-Caltech/MSSS
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3226
    Nos siga no

    As camadas de rocha presentes na cratera Gale permitem investigar a história da existência de água no planeta vermelho.

    As imagens da cratera Gale em Marte, tiradas pelo rover Curiosity, poderiam revelar o local perfeito para encontrar antigas evidências de vida no planeta vermelho. Christopher House, diretor de um dos consórcios do programa Space Grant da NASA, pensa que o lugar poderia abrigar vida de 3.500 milhões de anos atrás, de acordo com um recente comunicado emitido pela Universidade da Pensilvânia.

    Modelo criado por computador do lago na cratera Gale em Marte
    Modelo criado por computador do lago na cratera Gale em Marte

    "A cratera Gale parece ter sido o entorno de um lago", disse House, destacando que a missão espacial encontrou no local muitas pedras de argila finamente estratificadas. Devido a isso, "a água teria permanecido durante um milhão de anos ou mais", acrescentou o cientista.

    O professor de geociências explicou que o lago se encheu de sedimentos, que se transformaram em pedra que posteriormente erodiu. Este processo teria também ocorrido com as dunas de areia que se formaram no lugar mais tarde.

    Imagem de texturas estranhas na cratera Gale em Marte
    Imagem de texturas estranhas na cratera Gale em Marte

    No entanto, todo o sistema, incluindo a água subterrânea que atravessava a zona, ficou preservado durante muito tempo, talvez um bilhão de anos ou mais, disse o investigador. Estas declarações têm como base a descoberta de fraturas cheias de sulfato, que indicam que a água corria pelas rochas muito tempo depois de os lagos terem deixado de se formar no planeta vermelho.

    Imagem captada em Marte pelo rover Curiosity em 27 de julho de 2019
    Imagem captada em Marte pelo rover Curiosity em 27 de julho de 2019

    A esta hipótese se pode acrescentar a existência de outros minerais sulfurosos, tais como a pirite, indicando que as condições do meio ambiente poderiam ter abrigado vida no passado. De acordo com Christopher House, está é a idade de ouro da ciência planetária, em que a cada dia aparece algo completamente novo.

    Curiosity é o maior rover que pousou em outro planeta, ele utiliza 17 câmeras, foi lançado em novembro de 2011 e chegou a Marte em agosto de 2012.

    Mais:

    Sonda europeia verificará declarações da NASA sobre vestígio de vida em Marte
    Tags:
    sonda espacial, Marte, rover, Curiosity, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar