22:32 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Lua e Terra

    Lado 'escuro'? Confira o que na verdade ocorre na metade oculta da Lua

    © Foto : astrogalaxy1.narod.ru
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    380

    A parte invisível de nosso satélite está protegida do ruído terrestre, o que poderia ajudar a observar radioemissões de baixa frequência impossíveis de serem detectadas em nosso planeta.

    Chamar de "escuro" o lado da Lua que não é visível a partir da Terra não seria justificado, afirma o diretor do Planetário Arne Slettebak da Universidade Estatal de Ohio, Wayne Schlingman, em um artigo publicado esta semana no site The Conversation.

    De acordo com o cientista, o adjetivo que melhor descreve o lado oculto do nosso satélite é "silencioso", especialmente em termos das ondas de rádio, o que oferece muitas oportunidades para a ciência.

    Observada de qualquer lugar do nosso planeta, a superfície da Lua hoje não difere muito de como nossos ancestrais a viam há séculos ou milênios. O mesmo pode ser dito, embora em outra escala de tempo, do lado oculto de nosso satélite, visto que as recentes missões da NASA provaram que nada mudou desde 1959, quando uma espaçonave soviética a orbitou pela primeira vez.

    O cientista lembra que a Terra e seu satélite natural exercem mutuamente uma importante força gravitacional, que retarda a rotação de ambos os corpos. Essa influência fez com que, cerca de 100 milhões de anos após a formação do nosso Sistema Solar, a rotação da Lua e seu período orbital fossem sincronizados, de modo que nosso satélite agora leva 28 dias para completar o movimento de rotação ao redor do seu próprio eixo, exatamente o mesmo tempo que a sua viagem ao redor da Terra demora.

    O lado oculto da Lua é menos conhecido, mas Schlingman insiste em que não é correto chamá-lo de "lado escuro". A razão é que ambos os lados experimentam dia e noite, assim como a Terra, embora um dia lunar dure aproximadamente duas semanas terrestres. Ademais, ambas as metades da Lua têm períodos iguais de dia e noite ao longo do mês.

    Graças aos modernos satélites, os astrônomos puderam mapear completamente a superfície lunar, e a missão chinesa Chang'e 4 – a primeira expedição a pousar no lado oculto de nosso satélite – está atualmente explorando a cratera de Aitken.

    Se essa metade da Lua é realmente "escura" em algum sentido, seria porque é menos acessível para ondas de rádio que "contaminam" o ambiente no lado mais próximo. Segundo o investigador americano, o fato de esta parte da Lua estar protegida dos efeitos da civilização representa uma grande vantagem, visto que pode permitir aos pesquisadores medir sinais fracos do Universo, sem estes serem “contaminados” por ruídos de origem humana no lado lunar mais próximo de nosso planeta.

    A sonda Chang'e 4, por exemplo, pode captar emissões de rádio de baixa frequência provenientes do Sol ou mais além, que são impossíveis de detectar aqui na Terra devido ao ruído resultante da atividade humana, como ondas de rádio e televisão e outros sinais de comunicação.

    Parte dessas emissões remonta às primeiras estrelas e aos primeiros buracos negros, e a capacidade de as captar promete aos astrônomos uma melhor compreensão de como o universo começou a se formar.

    Mais:

    Após fracasso, empresa israelense anuncia nova missão à Lua
    Cientistas da NASA descobrem que Lua perde água durante chuvas de meteoros
    Preparos para Armagedom: NASA estuda ações em caso de impacto de corpos celestes com Terra
    Tags:
    buracos negros, emissões, sonda, estrelas, rádio, Terra, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar