16:13 24 Março 2019
Ouvir Rádio
    Erupção solar (imagem ilustrativa)

    Vestígios de um 'apocalipse solar' antigo são encontrados no gelo da Groenlândia

    © Foto: skeeze/Pixaby
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    150

    Geólogos encontraram no gelo da Groelândia vestígios de uma erupção solar muito forte que teria acontecido aproximadamente em 660 a.C.

    Se uma tempestade desta magnitude acontecesse hoje, ela provavelmente causaria grandes problemas para a civilização moderna, segundo um artigo cientifico publicado na revista PNAS.

    "Hoje, uma explosão solar desta magnitude teria consequências desastrosas para a humanidade. A nossa descoberta revela que a probabilidade de aparecimento dessas explosões solares é muito menosprezada. Isso nos dá a entender que necessitamos de encontrar uma maneira melhor de nos protegermos de cataclismos semelhantes", afirmou Raimund Muscheler da Universidade de Lund, Suécia.

    As explosões solares ocorrem na superfície do Sol e são causadas por mudanças repentinas no seu campo magnético. O Sol liberta porções de energia eletromagnética quando uma enorme quantidade de energia armazenada explode, produzindo uma forte onda de radiação. As explosões penetram no campo magnético da Terra e causam problemas ao funcionamento dos sistemas de radiocomunicação e dos satélites e podem prejudicar gravemente a saúde dos astronautas.

    Uma tempestade solar que aconteceu em março de 1989 paralisou uma grande parte das redes elétricas no Canadá causando prejuízos no valor de 13,2 milhões de dólares. Uma outra explosão solar em novembro de 2003 causou falhas de energia na Suécia, provocando também falhas no observatório espacial ACE e desativando temporariamente a sonda solar SOHO.

    Uma das mais poderosas tempestades registradas aconteceu em 1859. Estima-se que há uma probabilidade de 12% de uma explosão solar semelhante ocorrer nos próximos anos.

    Por esse motivo, os historiadores, físicos e astrônomos estão tentando encontrar vestígios e reconstruir a história de outras tempestades solares que aconteceram no nosso planeta e que nos poderiam ajudar a entender a frequência destes acontecimentos e que consequências eles podem ter, conta Raimund Muscheler.

    Geólogos suecos e físicos japoneses encontraram vestígios de uma grande explosão solar, que teria acontecido em 774 a.C., analisando a composição isotópica dos anéis em cedros japoneses antigos. Além do mais, os historiadores encontraram menções de outra tempestade solar que aconteceu em 1204 e que foi registrada em crônicas medievais chinesas e japonesas.

    Muscheler e sua equipe cientifica descobriram vestígios de uma catástrofe de grandes proporções, que teria acontecido nos tempos da queda do reino da Assíria e do Antigo Egito, analisando a composição isotópica e química de núcleos do gelo que se formou na Groenlândia.

    Os dados do gelo mostram uma presença do isótopo berílio-10, que só se forma na atmosfera terrestre. Ele permite verificar os ciclos de atividade solar e a intensidade dos raios cósmicos. Para além do berílio-10 foram encontrados vestígios do cloro-36, um outro isótopo "espacial" que, em conjunto com o berílio-10, permite distinguir a atividade solar das explosões de supernovas.

    Os resultados desta descoberta mostram que a frequência destes acontecimentos é muito menosprezada. Por isso temos que criar novos métodos de prognóstico e de proteção da civilização das consequências destas explosões e isso tem que ser uma prioridade para os cientistas, explica Muscheler.

    Mais:

    Astrônomos registram 'explosão mortífera' em estrela vizinha
    Apocalipse à vista? Cientistas calculam datas de um provável fim do mundo
    Tags:
    explosão, cientistas, catástrofe, ciência, Terra, Sol, Groenlândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar