15:24 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Estrelas gravadas por telescópio TESS

    2 teorias e 1 novo mistério: cientistas descobrem estrela enigmática

    © NASA. NASA/MIT/TESS
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2101

    Pesquisadores elevaram o número de hipóteses relacionadas a estrelas obscuras, mesmo que elas envolvam poeira e corpos celestes ao invés das gigantes megaestruturas extraterrestres.

    Uma equipe de astrônomos anunciou que a luz da EPIC 204376071, uma estrela localizada a aproximadamente 440 anos-luz da Terra, é ofuscada por um montante considerável em um breve período de tempo, segundo o portal Science Alert.

    Segundo a publicação dos cientistas na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, a estrela escureceu aproximadamente em 80%, um fenômeno que durou um dia.

    Os cientistas já possuem teorias que poderiam explicar o comportamento das estrelas, embora nenhuma delas aparentemente envolva megaestruturas ciclópicas extraterrestres.

    Buraco negro
    © AFP 2019 / EUROPEAN SOUTHERN OBSERVATORY - M. KORNMESSER
    Uma das hipóteses é que outro corpo celeste, como um grande planeta ou uma anã marrom, estaria orbitando a estrela, enquanto outras postulam que há "uma camada de poeira se movendo entre nós e a estrela, mais grossa na vanguarda e que vai diminuindo quase permanentemente em uma órbita ao redor da estrela".

    A EPIC 204376071 não é a única estrela que se comporta desta maneira. Em 2015, uma equipe de astrônomos, liderada por Tabetha Boyajian, relatou flutuações brilhantes incomuns exibidas pela KIC 8462852 ou Estrela de Tobby.

    Sendo assim, cientistas consideram a possibilidade de que uma megaestrutura hipotética extraterrestre conhecida como esfera de Dyson esteja orbitando a estrela, mesmo que outros astrônomos acreditem que o escurecimento irregular seja causado por uma fina camada de poeira ou outro corpo celeste de origem natural.

    Mais:

    'Maiores enigmas da astrofísica': cientistas encontram parte 'faltante' do Universo
    Lado escuro do Universo pode ser o caminho mais complicado para a ciência
    Onde tempo corre ao contrário: poderíamos algum dia presenciar 'irmão' do Universo?
    Tags:
    astrônomo, cientistas, estudo, estrelas, Universo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar