13:17 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Sonda japonesa Hayabusa-2

    Sonda japonesa inicia aterrissagem no asteroide Ryugu

    © Wikimedia Commons/ Deutsches Zentrum für Luft- und Raumfahrt (DLR)
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    110

    A Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA) anunciou o início da descida da sonda espacial Hayabusa-2 na superfície do asteroide Ryugu.

    O processo foi atrasado por várias horas devido à necessidade de averiguar todos os sistemas. Inicialmente, o pouso estava previsto para outubro do ano passado, mas verificou-se que a superfície do asteroide era muito mais rochosa do que o esperado, podendo danificar ou até destruir a sonda no momento da aterrissagem.

    Dessa forma, os cientistas precisaram de mais tempo para procurar um local seguro para realizar a descida. Agora a sonda deve ficar em um terreno relativamente plano com um diâmetro de 6 metros. Até o final do ano, a sonda Hayabusa-2, que foi lançada em 2014, deve coletar ao menos três amostras da superfície do asteroide e depois entregá-las ao nosso planeta.

    Em junho do ano passado, a sonda japonesa Hayabusa-2 atingiu seu objetivo depois de uma jornada de três anos no espaço, aproximando-se a uma distância de 20 quilômetros do asteroide em questão.

    O asteroide Ryugu, que possui cerca de 900 metros de diâmetro, está a 340 milhões de quilômetros do nosso planeta. A órbita de Ryugu passa perto das órbitas da Terra e de Marte, o que dá aos cientistas a esperança de que vestígios de água e matéria orgânica possam ser encontrados em sua superfície.
    Em 2010, uma missão semelhante a essa, no asteroide Itokawa, foi realizada pela sonda antecessora Hayabusa.

    Mais:

    Sonda chinesa Chang'e 4 e rover lunar 'adormecem' no lado oculto da Lua
    Sonda chinesa sobrevive a 190 graus negativos na 1ª noite lunar no lado oculto da Lua
    Descoberta nova aplicação da sonda Curiosity depois de 6 anos de missão em Marte
    Tags:
    amostras, cientistas, asteroide, sonda, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar