11:54 18 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Galáxia espiral NGC 5033, localizada a 40 milhões de anos-luz da constelação Canes Venatici (imagem referencial)

    Astrônomos detectam milhares de novas 'galáxias invisíveis'

    © Foto: ESA/Hubble & NASA; Acknowledgment: Judy Schmidt
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    150

    A descoberta foi possível graças a um dos maiores radiotelescópios do mundo - o LOFAR (Low Frequency Array), que encontrou "milhares" de novas galáxias que os cientistas nunca haviam conhecido antes.

    Os primeiros resultados da elaboração do novo mapa do céu foram publicados pela revista científica Astronomy & Astrophysics por uma equipe de 200 astrônomos.

    "Se pegarmos num radiotelescópio e olharmos para o céu, veremos principalmente a radiação que ocorre na proximidade de buracos negros supermaciços. Como esperamos, o LOFAR nos ajudará a entender como esses objetos misteriosos apareceram. Além disso, estas novas galáxias podem esconder buracos que surgiram nos primeiros dias do Universo", diz Huub Rottgering, da Universidade de Leiden, na Holanda.

    O radiotelescópio europeu começou a ser construído no início dos anos 90, quando o Instituto Holandês de Radioastronomia (ASTRON) propôs criar um poderoso interferômetro para estudar as galáxias mais distantes e o Universo primordial. A sua construção terminou em junho de 2010, tendo as observações começado em 2012.

    O LOFAR tem 300 mil metros quadrados e quase 100 mil antenas localizadas em vários países europeus, que são conectadas com a ajuda de uma rede de alta velocidade e do COBALT, um dos supercomputadores mais potentes da Europa.

    O recém-publicado mapa detalhado de ondas de rádio do Universo ao nosso redor é baseado nos primeiros cinco anos de observações do LOFAR.

    Esse mapa contém mais de trezentos mil fontes de rádio, incluindo núcleos ativos de galáxias e quasares, cerca de um terço dos quais eram anteriormente desconhecidos pelos cientistas.

    Segundo os astrônomos, o estudo desta vasta coleção de buracos negros que surgiram em diferentes momentos da vida do Universo ajudará a entender quando esses objetos apareceram e o que os ajudaram a crescer a uma velocidade tão alta.

    Devido à alta sensibilidade e resolução do radiotelescópio europeu, foi possível rastrear pela primeira vez as nuvens de gás quente em uma galáxia distante usando ondas de rádio de baixa frequência. Além disso, provou-se que há campos magnéticos poderosos no espaço intergaláctico, cujo efeito se estende por milhões de anos-luz.

    Como observado pelos pesquisadores, o mapa atual inclui apenas 2% da área total de céu noturno do Hemisfério Norte. Em um futuro próximo, eles planejam aumentar sua cobertura em dez vezes, e nos anos subsequentes alcançar os 100%.

    Os cientistas ainda esperam que essas observações os ajudem a descobrir as galáxias primárias do Universo, que surgiram logo após o Big Bang.

    Mais:

    FOTO incrível do telescópio Hubble registra profundamente o Universo
    Acelerador de partículas ainda maior poderia detalhar Universo como nunca antes
    Hubble mostra buraco negro mais brilhante dos primórdios do Universo (FOTO, VÍDEO)
    Miss Universo 2018 pode se tornar militar da reserva nas Filipinas
    Tags:
    buracos negros, objeto interestelar, mapa, radiotelescópio, galáxias, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar