15:14 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Eclipse solar (imagem referencial)

    Asteroide eclipsará estrela mais brilhante do céu noturno na América Latina hoje à noite

    © REUTERS / Jon Olav Nesvold/NTB scanpix
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    191

    Na noite desta segunda-feira (18), a estrela dupla Sirius, que é o corpo celeste mais brilhante no céu noturno, poderá ser vista em algumas partes da Terra, enquanto um pequeno asteroide passará por ela, tampando seu brilho.

    De acordo com pesquisadores, o fenômeno entre a estrela dupla e o asteroide se chama ocultação. O asteroide tampará a luz de Sirius por 1,8 segundo, deixando-a completamente apagada por 0,2 segundo, comunicaram os astrônomos Bill Merline, do Instituto de Pesquisas do Sudoeste (Texas, EUA), e David Dunham, da empresa KinetX Aerospace, em artigo, publicado no site dedicado ao fenômeno.

    O eclipse poderá ser visto em partes do sul da Argentina e do Chile, na América Central e no Caribe no fim da noite desta segunda-feira (18).

    No site se pode ver também uma série de mapas úteis que mostram o caminho da sombra. Segundo os astrônomos, uma pessoa na posição correta tem um intervalo de tempo muito pequeno para ver a ocultação completa — 1,8 segundo.

    De acordo com pesquisadores, Sirius é tão brilhante que é difícil localizar seus movimentos exatos. Merline e Sunham recomendam para quem estiver interessado a acompanhar a passagem do asteroide pela estrela dupla filmar o evento 60 segundos antes e depois do tempo indicado, levando em conta possíveis erros de cálculo.

    Mais:

    Astrônomos descobrem que planeta Ceres pode ter oceano no seu interior (FOTO)
    Magma aquecendo lago? Pesquisadores teorizam sobre Marte estar vulcanicamente ativo
    Astrônomos registram 'explosão mortífera' em estrela vizinha
    NASA divulga inigualável FOTO de 360° da paisagem de Marte
    Tags:
    fenômeno, astrônomo, céu, estrelas, eclipse, Chile, Argentina, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar