01:07 22 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Módulo de combate da inteligência artificial do consórcio russo Kalashnikov

    Pentágono pede ajuda para seguir Rússia e China no uso militar da inteligência artificial

    © Sputnik / Vitaly Belousov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1048

    O Pentágono lançou sua primeira estratégia na área de inteligência artificial (IA), na qual pede que gigantes da tecnologia ajudem a aumentar as capacidades militares dos EUA e alcancem a Rússia e a China no desenvolvimento de inteligência artificial para fins militares.

    Um resumo não confidencial da estratégia exige a rápida incorporação de tecnologias de inteligência artificial nas decisões e operações militares "para reduzir o risco de forças em campo e gerar vantagem militar". Além disso, os estrategistas do Pentágono acreditam que a IA "pode nos ajudar a manter nossos equipamentos, reduzir custos operacionais e melhorar a prontidão".

    Outras nações, particularmente a China e a Rússia, estão fazendo investimentos significativos em IA para fins militares, diz o documento de 17 páginas, que tem um texto solto e frases longas, as quais elogiam a confiança dos militares americanos na inovação.

    No relatório, o Pentágono afirma também que Pequim e Moscou "ameaçam corroer nossas vantagens tecnológicas e operacionais e desestabilizar a ordem internacional livre e aberta".

    Portanto, os EUA e seus aliados devem adotar a IA para manter sua posição estratégica, prevalecer em futuros campos de batalha e salvaguardar essa ordem. A última frase não parece nova, pois o jornal foi divulgado apenas um dia depois do presidente Donald Trump ter orientado as agências dos EUA a acelerar a pesquisa e o desenvolvimento da inteligência artificial.

    A ordem executiva de Trump pede para preservar a "liderança americana continuada" no setor de alta tecnologia e adverte que os EUA estão ficando para trás de seus rivais estratégicos na corrida pela supremacia da IA.

    Notavelmente, o plano do Departamento de Defesa dos EUA depende fortemente de uma mão amiga da indústria de tecnologia americana para obter os algoritmos e o poder de computação necessários para executar projetos de IA.

    "Vamos melhorar as parcerias com a indústria dos EUA para alinhar a liderança da IA civil com os desafios da defesa", complementou.

    Alguns gigantes da tecnologia já estão "flertando" com os militares, entre eles a Microsoft e a Amazon. O primeiro já havia prometido entregar sua perícia às Forças Armadas norte-americanas "honradas e éticas", enquanto o segundo tentava bater o tambor do patriotismo com o CEO Jeff Bezos chamando a América de um grande país que "precisa ser defendido".

    A busca por tecnologias avançadas de inteligência artificial não veio sem contratempos. Os próprios funcionários da Microsoft exigiram que a empresa tivesse uma política de IA "justa, confiável e segura, privada e segura, inclusiva, transparente e responsável" e abandonou a corrida por "lucros de curto prazo".

    Outra grande empresa de tecnologia, o Google, abandonou sua oferta do programa JEDI no ano passado, que pretendia instalar serviços de computação em nuvem disponíveis comercialmente em aplicativos militares. A empresa também testemunhou um protesto maciço de seus funcionários contra o Projeto Maven, destinado a usar sistemas de aquisição de alvos para drones.

    Alguns capitães da indústria soaram o alarme sobre uma aquisição de máquina iminente. O fundador do Alibaba, Jack Ma, alertou que a corrida pelo domínio da inteligência artificial poderia provocar uma Terceira Guerra Mundial. Em 2017, um grupo de especialistas se uniu para emitir uma advertência aos países de todo o mundo, chamando para "ficar contra o armamento da IA".

    Mais:

    China está preocupada que inteligência artificial possa levar a novas guerras
    Estudo: inteligência artificial pode prejudicar mulheres e ampliar desigualdade de gênero
    Inteligência artificial vai contribuir com US$ 16 trilhões para o PIB global até 2030
    Tags:
    drones, segurança, defesa, inteligência artificial, tecnologia, terceira guerra mundial, Google, Alibaba, Amazon, Microsoft, Pentágono, Jack Ma, Jeff Bezos, Donald Trump, China, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar