09:19 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    449
    Nos siga no

    O Pentágono lançou sua primeira estratégia na área de inteligência artificial (IA), na qual pede que gigantes da tecnologia ajudem a aumentar as capacidades militares dos EUA e alcancem a Rússia e a China no desenvolvimento de inteligência artificial para fins militares.

    Um resumo não confidencial da estratégia exige a rápida incorporação de tecnologias de inteligência artificial nas decisões e operações militares "para reduzir o risco de forças em campo e gerar vantagem militar". Além disso, os estrategistas do Pentágono acreditam que a IA "pode nos ajudar a manter nossos equipamentos, reduzir custos operacionais e melhorar a prontidão".

    Outras nações, particularmente a China e a Rússia, estão fazendo investimentos significativos em IA para fins militares, diz o documento de 17 páginas, que tem um texto solto e frases longas, as quais elogiam a confiança dos militares americanos na inovação.

    No relatório, o Pentágono afirma também que Pequim e Moscou "ameaçam corroer nossas vantagens tecnológicas e operacionais e desestabilizar a ordem internacional livre e aberta".

    Portanto, os EUA e seus aliados devem adotar a IA para manter sua posição estratégica, prevalecer em futuros campos de batalha e salvaguardar essa ordem. A última frase não parece nova, pois o jornal foi divulgado apenas um dia depois do presidente Donald Trump ter orientado as agências dos EUA a acelerar a pesquisa e o desenvolvimento da inteligência artificial.

    A ordem executiva de Trump pede para preservar a "liderança americana continuada" no setor de alta tecnologia e adverte que os EUA estão ficando para trás de seus rivais estratégicos na corrida pela supremacia da IA.

    Notavelmente, o plano do Departamento de Defesa dos EUA depende fortemente de uma mão amiga da indústria de tecnologia americana para obter os algoritmos e o poder de computação necessários para executar projetos de IA.

    "Vamos melhorar as parcerias com a indústria dos EUA para alinhar a liderança da IA civil com os desafios da defesa", complementou.

    Alguns gigantes da tecnologia já estão "flertando" com os militares, entre eles a Microsoft e a Amazon. O primeiro já havia prometido entregar sua perícia às Forças Armadas norte-americanas "honradas e éticas", enquanto o segundo tentava bater o tambor do patriotismo com o CEO Jeff Bezos chamando a América de um grande país que "precisa ser defendido".

    A busca por tecnologias avançadas de inteligência artificial não veio sem contratempos. Os próprios funcionários da Microsoft exigiram que a empresa tivesse uma política de IA "justa, confiável e segura, privada e segura, inclusiva, transparente e responsável" e abandonou a corrida por "lucros de curto prazo".

    Outra grande empresa de tecnologia, o Google, abandonou sua oferta do programa JEDI no ano passado, que pretendia instalar serviços de computação em nuvem disponíveis comercialmente em aplicativos militares. A empresa também testemunhou um protesto maciço de seus funcionários contra o Projeto Maven, destinado a usar sistemas de aquisição de alvos para drones.

    Alguns capitães da indústria soaram o alarme sobre uma aquisição de máquina iminente. O fundador do Alibaba, Jack Ma, alertou que a corrida pelo domínio da inteligência artificial poderia provocar uma Terceira Guerra Mundial. Em 2017, um grupo de especialistas se uniu para emitir uma advertência aos países de todo o mundo, chamando para "ficar contra o armamento da IA".

    Mais:

    China está preocupada que inteligência artificial possa levar a novas guerras
    Estudo: inteligência artificial pode prejudicar mulheres e ampliar desigualdade de gênero
    Inteligência artificial vai contribuir com US$ 16 trilhões para o PIB global até 2030
    Tags:
    Estados Unidos, Rússia, China, Donald Trump, Jeff Bezos, Jack Ma, Pentágono, Microsoft, Amazon, Alibaba, Google, terceira guerra mundial, tecnologia, inteligência artificial, defesa, segurança, drones
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar