02:55 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Asteroide Oumuamua

    Seria uma nave extraterrestre? Surge teoria sobre enigmático Oumuamua

    CC BY 2.0 / Stuart Rankin / Versão de Oumaumau
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    260

    Cientistas continuam tentando explicar a origem do objeto interestrelar Oumuamua detectado no nosso Sistema Solar.

    Distinguido pelo formato de charuto, a trajetória acelerada e a ausência da cauda peculiar aos cometas, o Oumuamua despertou uma versão singular sobre sua gênese no astrônomo da NASA Zdenek Sekanina. 

    Alguns especialistas dizem que o Oumuamua é um asteroide, outros o qualificam como um cometa e os teóricos da conspiração sugerem que seja uma espaçonave extraterrestre. 

    Em novo estudo, Sekanina ressalta que ele não é um único objeto, mas um pedaço de outro corpo – um cometa, por exemplo, referindo-se aos primeiros estudos do astrônomo John E. Bortle, que sustentava que alguns cometas podiam se desintegrar quando se aproximavam do Sol. 

    Segundo Bortle, os restos desses cometas podem apresentar um formato exótico, propriedades de rotação peculiares e porosidade extremamente alta. 

    Sekanina observou que a descrição de Bortle se encaixa perfeitamente com as características do Oumuamua. Aliás, o primeiro aspecto que chamou a atenção dos cientistas foi a aparência de charuto, além da rotação caótica. 

    O especialista estimulou cientistas a estudar dados de arquivos para tentar descobrir o momento em que houve a desintegração de um cometa cuja parte poderia ser o Oumuamua.

    O enigmático objeto interestrelar foi descoberto em outubro de 2017 com o telescópio Pan-STARRS do Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí.

    Mais:

    Asteroide maior do que Estátua da Liberdade está se aproximando da Terra
    Conheça o 'asteroide do Apocalipse' que poderia atingir a Terra (VÍDEO)
    Astrônomos descobrem 'embrião' de planeta no Sistema Solar
    Tags:
    cometa, asteroide, Sistema Solar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar