15:41 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Cinturão de Kuiper (ilustração artística)

    Astrônomos: Planeta X pode ser um enxame gigante de cometas

    CC BY 2.0 / Hubble ESA / Artist’s Impression of a Kuiper Belt Object
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    291

    O misterioso Planeta X pode ser não um gigante gasoso, mas um anel bizarro ou nuvem composta de muitos cometas e planetas anões, dizem astrônomos em um artigo publicado no Astronomical Journal.

    Nesse artigo, Antranik Sefilian, cientista da Universidade de Cambridge britânica, afirma que se substituirmos o Planeta X por um conjunto aleatório de objetos menores, espalhados por uma grande área, suas interações coletivas poderiam explicar as órbitas alongadas registradas em alguns objetos que se encontram além da órbita de Netuno.

    No início de janeiro de 2016, dois pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia, Michael Brown e Konstantin Batygin, declararam ter conseguido calcular a localização do misterioso Planeta X, o nono planeta do sistema Solar, afastado do Sol a uma distância de 41 bilhões de quilômetros e com uma massa 10 vezes superior à da Terra.

    Devido à enorme distância até este planeta — uma volta desse planeta ao redor do Sol, segundo os cientistas, demora 15 mil anos — nós ainda não sabemos onde ele está. Além disso, não temos quaisquer evidências de sua existência, além da estranha natureza do movimento de uma série de planetas anões e asteroides no Cinturão de Kuiper.

    Até agora, o Planeta X ainda não foi encontrado, mas no final do ano passado Brown disse que sua equipe tem grandes chances de encontrá-lo nos dados obtidos a partir de observações recentes que os astrônomos realizaram com ajuda do telescópio Subaru no arquipélago do Havaí. Ao mesmo tempo, ele observou que as descobertas de novos planetas anões com órbitas incomuns não deixaram dúvidas de que ele existe.

    Sefilian e seu colega Jihad Touma, da Universidade Americana de Beirute, tentaram analisar o motivo pelo qual a busca do Planeta X tem levado tanto tempo e ainda não terminou. Eles sugeriram que talvez ele não seja um único planeta gigante, mas um aglomerado de outros objetos.

    "Quando observamos os mundos de outras estrelas, frequentemente estudamos suas características analisando a forma e estrutura do disco protoplanetário ao redor da estrela. Se estivéssemos dentro dele, nunca o veríamos na totalidade", afirma o astrônomo.

    Com base nesta tese, Touma e Sefilian calcularam a massa mínima que um disco ou uma nuvem de planetas anões, asteroides e cometas devem ter para forçar 23 objetos transnetunianos conhecidos a se moverem nas órbitas em que se encontram hoje.

    Acontece que isso requer um disco relativamente pequeno, cuja massa é aproximadamente comparável ao peso estimado do Planeta X e cuja matéria está distribuída por ele de forma extremamente desigual.

    Apesar de esta estimativa superar a massa medida de todos os objetos para além da órbita de Netuno em cerca de duas ordens de grandeza, Sefilian e Touma acreditam que a existência de tal disco é mais provável que a descoberta do Planeta X.

    Segundo os astrônomos, essa hipótese resolve muitos outros problemas associados às órbitas "erradas" de vários planetas anões, tais como o 2013 SY99. Por outro lado, é possível que tanto o Planeta X como um enxame de pequenos corpos celestes existam em simultâneo.

    Mais:

    Em busca do Planeta X, astrônomos se deparam com um menor nos arredores do Sistema Solar
    Manuscritos medievais podem dar pistas sobre localização do misterioso Planeta X
    Corpo celeste recém-achado é o planeta X que causará apocalipse?
    Tags:
    fenômeno astronômico, sistema solar, planeta, Universidade de Cambridge, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar