06:28 24 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Asteroide no espaço

    Esgotamento de recursos da Terra faz cientistas buscarem salvação em asteroides

    CC0 / Buddy_Nath / Asteroide, Espaço, Estrelas
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1 0 0
    Nos siga no

    Em 2023, sob tutela da Agência Espacial Europeia (ESA) terá início a missão espacial Hera que avaliará os resultados da primeira tentativa na história de desviar um asteroide da sua órbita. Uma análise mais detalhada do projeto mostrará a importância da missão para além da simples salvação do planeta do impacto destrutivo de um corpo celeste.

    "O meteorito que caiu na Terra no fim do período do Cretáceo [cerca de 66 milhões de anos atrás] e causou a extinção dos dinossauros tinha o tamanho de vários quilômetros. Nós conhecemos 99% dos meteoritos com tamanho de mais de um quilômetro que se estão aproximando da Terra", declarou à Sputnik República Tcheca o cientista do Instituto de Geologia da Academia das Ciências tcheca, Tomas Kohout, que participa da missão.

    O meteorito de Tunguska tinha um diâmetro de 50 metros, o de Chelyabinsk — uns 20 metros, afirmou o cientista, assinalando que até 20 metros é possivelmente o limite a partir do qual o asteroide não representa uma ameaça séria, mas a comunidade cientifica conhece apenas 1% desses asteroides pequenos.

    Se os astrônomos detectarem um asteroide perigoso que possa atingir a Terra, será necessário encontrar um modo de salvar o nosso planeta. Então, os cientistas começaram a pensar sobre como mudar a trajetória dos asteroides potencialmente perigosos.

    A NASA e a ESA criaram o projeto AIDA (Asteroid Impact & Deflection Assessment), no âmbito do qual elas tentarão alterar a trajetória do asteroide e efetuar uma análise minuciosa de todo o experimento.

    Em 2022, a sonda norte-americana DART colidirá com o asteroide Didymos, que está a uma distância de 10,6 milhões de quilômetros da Terra. A sonda europeia investigará o tamanho da cratera provocada no asteroide pela DART, afirmou Kohout.

    O satélite miniaturizado APEX, desenvolvido por um consórcio europeu com participação do Instituto de Geologia da Academia das Ciências tcheca e da empresa tcheca Space Systems Czech, realizará uma análise detalhada da superfície e da estrutura interna do asteroide. O pequeno tamanho da APEX permitirá efetuar as manobras mais perigosas em uma órbita muito mais baixa, inclusive tentar pousar.

    "Também queremos verificar se podemos usar tais sondas pequenas no futuro para estudar planetas ou asteroides. Sendo pequeno, ele também é mais barato", esclareceu Kohout.

    O projeto AIDA parece um pouco estranho, já que a DART voa para o asteroide de modo quase cego. Mesmo sendo a observação do Didymos controlada a partir da Terra, a missão Hera obterá dados mais detalhados sobre a composição e peso do asteroide.

    A análise do impacto é muito importante para avaliar o desvio do asteroide da sua trajetória, para enxergar debaixo da superfície do asteroide e para uma potencial extração de matérias-primas que podem se esgotar na Terra.

    "Em geral, a superfície de corpos celestes sem atmosfera é submetida à ação do vento solar. Acontece a assim chamada erosão espacial. Graças ao sensor da DART será possível ver a diferença entre a superfície fresca, formada em resultado do impacto, e a que sofreu erosão", ressaltou o cientista tcheco.

    Hoje predomina a tendência de rejeição do combustível fóssil e de uso de mais energia elétrica, o que exige muitos metais nobres para baterias, magnetos e motores, segundo Kohout. Mas os metais nobres estão concentrados no núcleo terrestre, e daqui a 10-20 a sua quantidade na crosta terrestre será insuficiente para satisfazer o consumo de eletrônica ou baterias, assinalou.

    Porém, os elementos necessários existem na superfície de asteroides por causa das peculiaridades da sua formação.

    "Daqui a algumas décadas nós seremos obrigados a buscar onde obter recursos adicionais para a nossa civilização. Os asteroides são um dos lugares onde os poderíamos encontrar", declarou Kohout.

    De acordo com a base de dados Asterank, que inclui a lista de asteroides que podem ser usados potencialmente, o Didymos ocupa o quinto lugar do ponto de vista econômico. A APEX deve revelar quanto ferro e níquel há no Didymos.

    "No futuro, se alguém quiser usar asteroides, poderá escolher entre várias variantes e realizar uma missão de investigação, composta por várias sondas pequenas que chegarão aos asteroides escolhidos e os analisarão. Nós estamos no processo de desenvolvimento dessa tecnologia", concluiu Kohout.

    Mais:

    Não estamos sozinhos? 'Super-Terra' vizinha de nosso planeta pode abrigar vida
    Sonda da NASA descobre novo exoplaneta 3 vezes maior que a Terra
    'Viagem inteira em uma FOTO': NASA capta Terra, Lua e asteroide juntos
    Sonda da NASA entra em órbita do asteroide Bennu e estabelece novo recorde
    Tags:
    superfície, apocalipse, recursos, salvamento, missão, estudo, Agência Espacial Europeia (ESA), NASA, Espaço, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar