23:54 22 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Ilustração artística da super-Terra que orbita a estrela de Barnard

    Não estamos sozinhos? 'Super-Terra' vizinha de nosso planeta pode abrigar vida

    © Foto: ESO/M. Kornmesser
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    6220

    Edward Guinan e Scott Engle, pesquisadores da Universidade de Villanova, na Pensilvânia (EUA), anunciaram que pode haver vida primitiva na gelada “super-Terra” conhecida como GJ 699 b, que orbita a estrela de Barnard, localizada a apenas seis anos-luz do Sol.

    Eles afirmam que no planeta, também conhecido com Barnard b, as temperaturas atingem 170 graus centígrados negativos. No entanto, esse mundo novo, descoberto em novembro do último ano, apresenta potencial para abrigar vida primitiva se tiver um grande núcleo de ferro ou níquel quente e atividade geotérmica, sustentam os astrofísicos.

    Segundo Guinan, o aquecimento geotérmico poderia permitir a existência de "zonas de vida" sob a superfície, similares aos lagos subterrâneos encontrados na Antártica.

    "Sabemos que a temperatura da superfície da lua gelada de Júpiter – Europa — é semelhante à de Barnard b, mas devido ao aquecimento de maré [processo por meio do qual a energia de rotação e translação é dissipada sob a forma de calor no interior dos planetas e luas envolvidos] é provável que esta lua tenha oceanos líquidos sob a sua superfície gelada", disse.

    Como observou Scott Engle, a estrela de Barnard é quase duas vezes mais antiga que o Sol: ela tem 9 bilhões de anos, em comparação com os 4,6 bilhões de anos do nosso Sol. 

    "O Universo produziu planetas do tamanho da Terra muito antes de nós existirmos e até mesmo antes do próprio Sol existir", explicou.

    Mais:

    Perigo extraterrestre? Cientistas revelam bactérias que se adaptam para sobreviver na EEI
    Panorama dos chineses: confira VÍDEO inédito do lado oculto da Lua
    'Rosto antigo' em Marte pode ser prova de cidade perdida, diz ufólogo (FOTO)
    Tags:
    estudo, estrelas, vida, Sol, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar