01:07 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Remanescente de supernova W49B (imagem referencial)

    Astrônomos detectam fonte desconhecida de alta energia perto de supernova

    © Foto / NASA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Uma equipe internacional de astrônomos detectou uma nova fonte de radiação gama de alta energia localizada perto dos restos da supernova G24.7+0.6. O mecanismo que cria a radiação e abrange o espaço de quase uma centena de anos-luz ainda permanece desconhecido, comunicou o portal Phys.org.

    A fonte, denominada MAGIC J1835-069, se localiza à distância de 16,3 mil anos-luz da Terra. A supernova ligada à fonte explodiu 9,5 mil anos atrás. Os seus destroços são do tipo misto, têm o revestimento externo se ampliando rapidamente, bem como um pulsar no centro que cria um vento estelar fortíssimo. Tais objetos aceleram as partículas até energias muito altas na ordem de várias centenas de teraelétron-volts.

    Os investigadores examinaram G24.7+0.6 com ajuda do sistema MAGIC, que tem dois telescópios no observatório na ilha La Palma, bem como do telescópio espacial de raios gama Fermi. Os cientistas conseguiram identificar a fonte de radiação de alta energia (de 150 a 5 teraelétron-volts) que está a uma distância angular de 0,34 graus do centro da nebulosidade e atinge as dimensões de cerca de 98 anos-luz.

    Embora a natureza da fonte ainda não foi esclarecida, os astrônomos supõem que esse fenômeno possa ser explicado pela aceleração dos raios cósmicos dentro dos destroços da supernova através da colisão de prótons no meio interestelar, rico em monóxido de carbono.

    Mais:

    Astrônomos descobrem 'nuvem fóssil' que poderia revelar mistérios do Universo
    Astrônomos captam FOTO impressionante de 'lago de neve' em Marte
    Descoberta comprovada: astrônomos evidenciam existência de nova galáxia (FOTO)
    Astrônomos descobrem 'refeição' de buraco negro superpesado
    Tags:
    supernova, estrelas, radiação, energia, explosão, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar