02:27 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Antártida

    NASA: degelo da Antártida terá consequências desastrosas para o planeta inteiro (FOTO)

    CC BY 2.0 / Christopher Michel / Antarctica 2013: Journey to the Crystal Desert
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    244
    Nos siga no

    A NASA descobriu que as geleiras na Antártida Oriental, antes consideradas estáveis e não sujeitas a mudanças globais, começaram a derreter rapidamente.

    O estudo com as conclusões correspondentes foi publicado no site oficial da agência espacial norte-americana.

    Podendo vir a alterar as linhas da costa à volta do mundo, o maior glaciar da Antártida Oriental está derretendo. Armada com um novo mapa da espessura do gelo, a @NASA _ICE descobriu que o mesmo está ocorrendo com os outros glaciares próximos.

    É relatado que, se estas geleiras derreterem no futuro, isso terá consequências desastrosas para o planeta inteiro, uma vez que a água derretida elevará significativamente o nível dos oceanos.

    Em particular, é referido que o glaciar Totten, o maior desta região, começou a degelar. Se desaparecer completamente, o nível da água do mar no mundo aumentará em mais de três metros.

    Além disso, geleiras menores, tais como a Underwood, Bond, Adams e Vanderford, também começaram a derreter. Em comparação com 2008, a altura dessas geleiras diminuiu em quase três metros e cada ano perdem cerca de 25 centímetros de altura.

    Segundo a NASA, a principal razão da aceleração do derretimento das geleiras é a água morna que é empurrada das profundidades para a superfície devido a mudanças no nível de gelo no oceano.

    Mais:

    Revelado enigma da maior erupção vulcânica na Antártida
    Cientistas desvendam papel dos lagos subglaciais na Antártida
    NASA encontra na Antártida 2º iceberg retangular perfeito (FOTO)
    NASA mostra iceberg retangular perfeito na Antártida
    Tags:
    desastre natural, nível dos mares, degelo, derretimento, geleira, NASA, Antártida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar