07:44 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Fóssil de um ictiossauro (imagem ilustrativa)

    Réptil mais misterioso do Jurássico poderia ter tido sangue quente, dizem cientistas

    CC0 / Pixabay/Efraimstochter
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 0 0

    Com mais de 180 milhões de anos de idade, fóssil desse réptil marinho foi muito bem preservado. Além do mais, possui a primeira evidência química direta de sangue quente.

    Um grupo internacional de cientistas estudou o fóssil extremamente bem preservado de um réptil antigo como um golfinho que viveu no oceano que se situava no território atual da Alemanha há cerca de 180 milhões de anos, e encontrou características inesperadas que o tornam um dos animais mais misteriosos do Jurássico.

    Os resultados da investigação, conduzida por pesquisadores da Universidade Estadual da Carolina do Norte (EUA) e da Universidade de Lund (Suécia), foram publicados pela revista Nature.

    De acordo com o estudo, as análises molecular e microestrutural do fóssil mostraram que este réptil marinho antigo, classificado como Stenopterygius ichthyosaur, era semelhante a um golfinho moderno e não só em aparência: provavelmente tinha sangue quente, gordura isolante e usava coloração como camuflagem contra predadores.

    "Os ictiossauros são interessantes, porque eles têm muitas características em comum com os golfinhos, mas não estão relacionados em tudo com esses mamíferos que vivem no mar", disse a coautora da pesquisa, Mary Schweitzer, paleontóloga e bióloga da Universidade Estadual da Carolina do Norte.

    "Não estamos muito seguros de sua biologia. Eles têm muitas características em comum com os répteis marinhos vivos, como as tartarugas, mas sabemos, graças ao registro do fóssil, que eles eram vivíparos, que está associado com o sangue quente", acrescentou.

    Primeira evidência direta de sangue quente

    Johan Lindgren, professor da Universidade de Lund e principal autor do estudo, ressalta que "tanto o contorno do corpo como os restos de seus órgãos internos são claramente visíveis".

    "É surpreendente que o fóssil esteja tão bem preservado ao ponto de ser possível observar camadas celulares individuais dentro da pele", sublinhou o cientista.

    Eles também observaram material quimicamente compatível com gordura de vertebrados, que só é encontrada em animais capazes de manter a temperatura corporal independente das condições ambientais, comunica o jornal Nature.

    Ao aplicar uma série de técnicas especiais de alta resolução, os cientistas encontraram evidências químicas de gordura subcutânea no fóssil.

    "Esta é a primeira evidência química direta de sangue quente em um ictiossauro, porque a gordura é uma característica de animais de sangue quente", diz Schweitzer.

    Ademais, tal estado de conservação permitiu que os pesquisadores identificassem microestruturas do tipo celular que continham organelas de pigmentos dentro da pele, assim como vestígios de um órgão interno que poderia ser o fígado.

    Mais:

    Esqueleto de 500 anos calçando botas é encontrado em Londres (FOTOS)
    Esqueleto de enigmático 'monstro marinho' surge em praia da Nova Zelândia (FOTOS)
    Tags:
    sangue, fóssil, golfinho, animais marinhos, réptil, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik