17:51 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Um neandertal (imagem referencial)

    Estudo revela com quem humanos modernos de 100 mil anos atrás mantinham sexo

    CC BY 2.0 / Paul Hudson / Our Cousin -Neanderthal
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    7217

    Cientistas da Universidade Temple dos EUA publicaram um estudo revelando que humanos modernos que viviam na Europa há 100 mil anos tiveram relações sexuais e descendência com os Neandertais – que subiram vindos da África – em frequência muito maior do que era imaginado.

    O DNA de todos os humanos da atualidade — exceto o dos africanos — contém uma pequena porcentagem do genoma neandertal. Trata-se de 2% a 6%, de acordo com o estudo. Os Neandertais se estenderam pela Europa e Ásia procriando com humanos modernos.

    "Nós encontramos […] que um simples modelo de um simples cruzamento [entre ambas as espécies] não coincidia com os dados empíricos e que se concordava com cruzamento múltiplo de genes entre europeus e as populações do Leste Asiático. Houve uma interação entre humanos e Neandertais muito mais duradoura do que imaginado", explicam os cientistas.

    A pesquisa indica que a proporção de descendentes de Neandertais nas populações atuais do Leste Asiático seja entre 12% e 20% maior em comparação àquela presente no genoma dos europeus. Essas variações na expressão genética afetam nossa propensão para as doenças.

    Para resumir o padrão assimétrico das frequências alélicas dos Neandertais, foi compilado o espectro de frequências dos fragmentos neandertais da Europa e do Leste Asiático para comparação com a teoria analítica e os dados simulados sob vários modelos de mistura de genes.

    Assim, acreditamos que uma explicação provável para os nossos resultados é que o fluxo genético entre humanos e Neandertais era intermitente e contínuo, mas em uma região geograficamente restrita.

    Além do mais, o estudo confirma que os Neandertais e os humanos modernos não só faziam sexo uma vez e pronto entre si, mas também com o Denisovan, uma subespécie de humanos modernos cujo único resto mortal encontrado corresponde ao dedo de uma menina que vivia em uma caverna na Sibéria entre 50.000 e 30.000 anos atrás.

    Mais:

    Descoberto gelo 'quente' na geleira mais elevada do planeta
    Cientistas descobrem consequência chocante do terremoto que abalou Nova Zelândia
    Estudo revela segredo dos homens que são bons na cama
    Tags:
    espécies, genoma humano, Ásia, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik