14:36 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Peixe (imagem ilustrativa)

    Navios de cruzeiro noruegueses 'serão propulsados' com peixes mortos

    CC0 / christels/Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 71

    A inovadora empresa de navios de cruzeiro norueguesa Hurtigruten está realizando uma revolução no seu ramo, tendo decidido utilizar o chamado biogás liquefeito, combustível produzido a partir de peixes mortos e outros resíduos orgânicos.

    Segundo diz um comunicado oficial da empresa, esta planeja investir mais de US$ 850 milhões (mais de R$ 3,2 bilhões) na criação da linha de cruzeiros "mais ecológica no mundo".

    "O norte da Europa e Noruega, que têm grandes setores de pesca e silvicultura que produzem um volume constante de detritos orgânicos, têm uma oportunidade única de se converterem no líder mundial na produção de biogás", afirmou o diretor executivo da companhia, Daniel Skjeldam.

    Até 2021, a empresa norueguesa planeja operar ao menos seis dos seus navios usando este biogás liquefeito, um combustível produzido através de bactérias.

    "Aquilo que os outros veem como um problema, nós vemos como um recurso e uma solução. Ao introduzir o biogás como combustível para os navios de cruzeiro, a Hurtigruten será a primeira empresa de navios de cruzeiro que os alimenta com combustíveis fosseis", acrescentou o empresário.

    De acordo com ele, o principal objetivo da empresa é reduzir as emissões. Aliás, acredita o dirigente, esse exemplo estabelecerá um padrão completamente novo na indústria em todo o mundo.

    "Este é apenas o começo. Hurtigruten é a maior empresa de navios de cruzeiro mundial, o que significa responsabilidade. A sustentabilidade será o impulsionador principal na nova era da navegação e indústria turística", concluiu.

    Mais:

    EUA compram gás russo apesar de suas próprias sanções?
    Inverno nos EUA pode levar o país a importar gás liquefeito da Rússia?
    Geleira islandesa une forças com vulcão para produção de gás destruidor, dizem cientistas
    Tags:
    combustível, energia verde, Europa, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik