09:02 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Base de Alcântara, no Maranhão

    Especialista comenta futuro do programa aeroespacial brasileiro

    © Foto : Divulgação/MD
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1092

    O engenheiro espacial e coordenador do curso de Engenharia Aeroespacial da UniAmérica Oswaldo Loureda acredita que a escolha do astronauta Marcos Pontes para o Ministério da Ciência e Tecnologia foi a "melhor escolha" feita pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.

    Membro do Congresso Aeroespacial Brasileiro, Loureda destaca que é importante que o setor tenha "acesso direto" ao presidente e recursos. Ele também destaca que as seguintes medidas são importantes para o programa aeroespacial: envolvimento da academia, de empresas de tecnologia e uma parceria entre os militares e setores civis. 

    O professor da UniAmérica também defende que o investimento em ciência e tecnologia traz retornos ainda maiores para a sociedade. Ele cita como exemplo a Embraer, uma das maiores empresas do setor no mundo e que nasceu dentro de uma universidade pública. 

    "Você reduz a pobreza do país quando coloca satélite em órbita com a geração de imagens e sensoriamento remoto. Com satélites, você consegue ter safras muito melhores. Você consegue implementar a colheita de forma melhorada."

    Centro de Lançamento de Alcântara

    Loureda afirma que o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, tem um "potencial enorme" para ser explorado. Localizada em ponto estratégico, a base tem acesso direto ao Oceano Atlântico, numa área despovoada, onde é possível realizar lançamentos em linha reta e aumentar a carga do foguetes lançados. 

    "Alcântara continua como centro ativo, temos um pessoal extremamente técnico e competente da Força Aérea tomando conta de lá. É uma base utilizada diversos momentos por ano. É usada para lançamento de foguetes de treinamento, são uma série de ações — até mesmo de auxílio de outros programas espaciais, como o europeu."

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik