09:44 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Explosão do Sol (ilustração artística)

    Terra pode estar sendo ameaçada pela chegada de estrela intergaláctica

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    5192

    Há duas décadas sabíamos poucas coisas sobre o que havia no espaço, entretanto, com recentes descobertas, fomos capazes de conhecer em torno de 500 estrelas que orbitam ao redor dos planetas e é muito provável que esse número seja maior, já que a cada ano estão sendo descobertas mais e mais estrelas.

    Apesar das diversas descobertas, poucas delas possuem semelhanças com nosso Sistema Solar. Os cientistas acreditam ter a respostas com relação ao fato.

    Nossos ancestrais talvez procurassem encontrar um estranho sinal vermelho cintilante durante a noite, um misterioso viajante dos céus, que passava muito próximo.

    As estrelas anãs vermelhas brilham mais intensamente no espectro infravermelho em um intervalo regular, porém o caso foi muito discutido, já que havia a possibilidade de luzes brilhantes terem sido facilmente avistadas a partir da Terra, segundo os cientistas.

    Segundo a pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Madri e de Cambridge, o fato teria sido gerado por algum objetivo distante enquanto orbitava o Sol, sendo uma evidência de que algo acontecia no céu durante as noites nos primórdios da humanidade, conforme afirma o portal News.com.au.

    Para os cientistas, essas estranhas órbitas do nosso Sistema Solar poderiam indicar a causa de nossos planetas não estarem em ordem.

    Um novo estudo sugere que algo teria sido mesclado no momento em que uma estrela atravessa nosso Sistema Solar durante sua fase embrionária.

    Susanne Pfalzner, líder e autora do estudo, acredita que uma estrela pode ter "roubado" algumas propriedades do disco protoplanetário externo do Sol, como alguns escombros de rocha e gelo que são os blocos de construção dos planetas. Além disso, seu estudo sugere que Netuno e Urano são de tamanho incomum.

    Atualmente, astrônomos estão observando a estrela Gliese 710 que está localizada na constelação Serpens Cauda, pelo simples motivo de ela poder estar vindo em direção ao planeta Terra.

    A estrela Gliese 710 tem aproximadamente 60% da massa solar e está se movendo a 51.500 km/h. Isso significa que a estrela está se aproximando rapidamente.

    Com a chegada da estrela Gliese 710, nosso Sistema Solar potencialmente será desestabilizado, principalmente devido ao tamanho e massa da estrela, entretanto, o centro dos planetas não serão atingidos, ao contrário dos cometas, que provavelmente sofrerão uma desarticulação, o que poderia causar suas quedas, além de poder afetar a gravidade do Sol, o que seria um sério problema.

    Mais:

    Espécie rara de estrela do mar pode deixar de 'brilhar' para sempre (FOTO)
    Saiba como surgiu a misteriosa estrela imortal
    Enigma astronômico: estrela bebê parece estar 'comendo' planetas (VÍDEO)
    Tags:
    Terra, Sol, estrelas, pesquisa científica, cientistas, estudos, universo, Sistema Solar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik