17:05 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Cidade marciana (imagem ilustrativa)

    O que é necessário para abastecer a futura colônia em Marte com recursos?

    © Fotolia / Algol
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    381

    A exploração espacial está entrando em uma era de ouro. Cada vez mais países e empresas privadas participam da corrida para a órbita da Terra e mais além.

    Em seu artigo publicado no site do SETI, o investigador principal do projeto, John Skok, anunciou a criação de uma nova empresa dedicada ao desenvolvimento de tecnologia adequada para uso na construção em Marte.

    A entidade, chamada Made of Mars (literalmente "Feito de Marte"), visa encontrar formas de transformar materiais e minerais presentes nos corpos celestes, tais como a Lua, Marte e asteroides do nosso Sistema Solar, a fim de criar componentes úteis para os seres humanos com as tecnologias de hoje.

    Segundo assegura o pesquisador, ele conseguiu encontrar um candidato promissor para o material espacial universal: basalto. Nas palavras dele, o basalto, ou rocha ígnea vulcânica, é uma das substâncias mais abundantes não só no nosso planeta, mas em muitos outros corpos celestes estudados pelos astrônomos.

    Ademais, os últimos estudos sobre Marte evidenciam que é o material mais acessível no planeta vermelho.

    O projeto vê o basalto como um material do futuro cujo desenvolvimento e amplo uso generalizado não só abrirá o caminho para colonização do espaço, mas também será um grande avanço para a Terra.

    As rochas vulcânicas já podem ser transformadas em filamentos para criar tecidos. Em seguida, isso poderia ser usado para fabricar muitos itens para colônias futuras.

    De acordo com Skok, para o meio ambiente e desenvolvimento sustentável do planeta seria benéfico usar a pedra para substituir uma grande parte dos recursos não recuperáveis.

    "Desde o início, o problema da exploração espacial foi o do transporte, o domínio de engenheiros de foguetes. Queremos 'pôr' esta viagem em suas mãos […] e aproximar as tecnologias necessárias para nossa vida futura fora do planeta Terra", afirmou o investigador principal do projeto SETI, dedicado a encontrar inteligência extraterrestre.

    Previamente, os cientistas determinaram que o planeta pode abrigar uma zona habitável de vários quilômetros de espessura, onde a radiólise geraria suficiente hidrogênio para sustentar uma comunidade de micróbios durante centenas de milhões de anos.

    Mais:

    Há água gelada em Marte e aparelho russo a encontrou
    Cientistas acabam de descobrir novo perigo que ameaça vida de potenciais viajantes a Marte
    NASA mostra 1ª FOTO do rover desaparecido há mais de 100 dias em Marte
    Tags:
    recursos, material, exploração espacial, colonização, Instituto SETI, Sistema Solar, Terra, Lua, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik