15:45 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Esfinge e Pirâmide de Quéops

    Arqueólogos desvendam segredos de milenar múmia tatuada do Egito (FOTOS)

    CC0
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 121

    Um grupo de arqueólogos franceses concluiu análises da única múmia tatuada de 3.000 anos encontrada no Egito e indicou para que teriam servido as numerosas imagens em seu corpo.

    A múmia de 3 mil anos foi descoberta em 2014 em Deir el-Medina, no Egito. Segundo a missão arqueológica da Universidade Francesa de Arqueologia Oriental (IFAO), a múmia pertence a uma mulher de elite, de 25 a 34 anos, que teria vivido entre 1.300 e 1.070 d.C, escreve a revista Egypt Today

    No total, no corpo da múmia foram encontradas 30 tatuagens diferentes, tais como touro, ovelha, flor de lótus, babuíno e vários olhos de Hórus, ou Udyat, símbolos de proteção do mal no Antigo Egito.

    Cientistas acreditam que as tatuagens poderiam ter servido para demonstrar e fortalecer os poderes religiosos da mulher.

    Poucas múmias com pequenas tatuagens foram encontradas, exibindo pelo corpo pontos e traços, mas esta é a primeira múmia com tatuagens de objetos reais.

    Anne Austin, da Universidade de Stanford (Califórnia), que estudou o achado, relata que primeiro pensava que eram apenas pinturas, mas logo verificou que eram mesmo tatuagens.

    Com as últimas tecnologias, a pesquisadora e seus colegas descobriram as imagens que estavam escondidas pelas resinas de mumificação. Os desenhos têm um significado importante do ponto de vista religioso, acreditam especialistas, pois são ligados a divindades importantes do Antigo Egito.

    Mais:

    Como falha na distribuição de água acabou com a maior cidade do mundo?
    Aquecimento global poderá 'despertar' peste negra, adverte cientista
    Tags:
    religião, tatuagem, descoberta, múmia, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik