06:13 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Umas plantas em Chukotka russa

    Há um detalhe de décadas que comprova mudança drástica no Ártico

    © Sputnik / Andrey Shapran
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    351

    Arbustos, ervas e outras plantas que crescem no Ártico estão cada vez mais altos, porque as condições climáticas estão se tornando mais hospitaleiras, ou seja, mais quentes, concluiu o estudo de um grupo internacional de cientistas.

    Conclusões, publicadas na revista Nature, baseiam-se em três décadas de medições. Os dados foram recolhidos no Alasca, Canadá, Islândia, Escandinávia e Rússia e indica o clima mais quente como principal impulsionador das mudanças.

    A equipe de 180 pesquisadores crê que o aumento da altura das plantas poderia contribuir para elevar mais as temperaturas.

    Uma autora do estudo, Isla Myers-Smith, da Universidade de Edimburgo (Reino Unido), prediz que, se a situação seguir no mesmo ritmo, a flora ártica poderia duplicar de tamanho até o fim do século.

    O Ártico não está acostumado a ter plantas altas como árvores por seu clima hostil, mas está hospedando uma das mais rápidas mudanças do planeta.

    O mais crítico não é o fato de plantas existentes estarem aumentando de tamanho, e, sim, que as espécies mais altas estão invadindo áreas onde não costumavam crescer.

    O estudo abrange mais de 60.000 observações de dados de centenas de lugares do Ártico, dos Alpes europeus e das Montanhas Rochosas dos EUA.

    A informação remonta muitas décadas, o que permite observar as tendências em desenvolvimento.

    Mais:

    Cientistas calculam quanto tempo resta para nosso Universo
    O maior do Jurássico: cientistas identificam 'avô' do tiranossauro (FOTOS)
    Bactéria que vive em organismo humano pode produzir eletricidade, afirmam cientistas
    Ficção virando realidade? Cientistas acham 'super-Terra' prevista em famosa série
    Tags:
    mudança climática, plantas, aquecimento, estudo, Ártico, Alasca, Canadá, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik