15:42 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Planeta Marte

    Cientistas encontram em Marte novo e inesperado lugar que pode abrigar vida

    CC0 / NASA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4105

    Um novo estudo realizado por cientistas da Universidade Brown, nos EUA, revelou que podem existir sinais de vida debaixo da superfície marciana.

    Segundo seu estudo, a decomposição das moléculas de água nas rochas de Marte poderia produzir energia química suficiente para sustentar uma população de micróbios.

    "Mostramos, baseando nos cálculos básicos de física e química, que o antigo subsolo marciano provavelmente tinha suficiente hidrogênio dissolvido para alimentar uma biosfera subsuperficial global", declarou o astrônomo Jesse Tarnas. "As condições nesta zona habitável teriam sido semelhantes aos lugares da Terra onde existe vida subterrânea", explicou ele.

    Os cientistas disseram que se trata de ecossistemas microbiológicos litótrofos subsuperficiais, que consistem em comunidades de microrganismos. Esses organismos microscópicos vivem nas profundezas do solo e usam a energia armazenada nas ligações químicas de compostos inorgânicos, como o sulfureto de hidrogênio ou hidrogênio, para produzir carboidratos a partir do dióxido de carbono.

    Os cientistas determinaram que os elementos radioativos na crosta de Marte poderiam ter impulsionado a radiólise, processo através do qual a radiação decompõe a água em hidrogênio e oxigênio. Isso poderia ter produzido suficiente hidrogênio para sustentar esses microrganismos marcianos.

    Os cientistas determinaram que o planeta pode abrigar uma zona habitável de vários quilômetros de espessura, onde a radiólise geraria suficiente hidrogênio para sustentar uma comunidade de micróbios durante centenas de milhões de anos.

    Mais:

    Quais são os maiores obstáculos que nos impedem de viajar até Marte?
    NASA estabelece origem do misterioso objeto captado por sonda em Marte (FOTO)
    Tags:
    astronomia, cientistas, Marte, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik