02:21 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Homem usando traje tradicional maia, em San Martín Jilotepeque, Guatemala, 21 de setembro de 2012

    Pesquisadores explicam desaparecimento misterioso das civilizações antigas

    © AP Photo / Moises Castillo
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1157

    Cientistas da Universidade Wyoming revelaram que o desaparecimento das civilizações antigas que existiram nos últimos 10.000 anos foi provocado pela globalização.

    Devido ao processo, o desaparecimento de uma civilização causava uma reação em cadeia e extinção de outras culturas, explicaram os cientistas na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

    Os especialistas estudaram documentos históricos dos últimos 130 anos, bem como os resultados de testes de radiocarbono de numerosos fósseis com idade até 10.000 anos, encontrados em diferentes partes do nosso planeta. 

    Baseando-se nos resultados dos testes, os cientistas conseguiram estimar o consumo de energia em vários períodos históricos e avaliar o nível de interligação entre eles.

    Segundo os pesquisadores, os níveis de consumo de energia em várias sociedades humanas antigas eram praticamente iguais. O processo de globalização poderia ter contribuído para o colapso simultâneo de várias civilizações devido à vulnerabilidade perante as alterações ambientais causadas pelo desenvolvimento econômico-social.

    Esses fatores deveriam ser tomados em conta quando avaliamos a cooperação entre Estados modernos, o processo de globalização e a formulação de políticas de desenvolvimento humano estável, sublinharam cientistas. 

    Anteriormente, cientistas estabeleceram que a extinção de várias civilizações humanas antigas poderia ter sido causada por catástrofes ecológicas, como a poluição do ar, erosão dos solos e desmatamento.

    Mais:

    Exoplaneta cria grandes expectativas e cientistas acreditam que ele seja habitável
    Cientistas descobrem analgésico mais forte do que morfina
    Tags:
    civilizações antigas, cientistas, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik