13:55 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Um molusco

    Biólogos reconhecem preguiça como 'principal impulso' para evolução

    © Sputnik / Igor Onuchin
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 60

    Principais vencedores da corrida evolutiva podem ser animais e plantas um tanto "preguiçosos", ao invés de adaptados, por apresentarem metabolismo lento, concluíram evolucionistas em artigo publicado na revista Proceedings of the Royal Society B.

    "Nós comparamos a velocidade do metabolismo de moluscos atuais com a de antecessores extintos nos últimos cinco milhões de anos, relevando que invertebrados extintos tinham em média um metabolismo mais rápido de que as espécies de hoje", revela Luke Strotz, da Universidade de Kansas, EUA.

    O desenvolvimento de quase todas as criaturas multicelulares é dirigido por dois fatores — seleção natural e sexual. No primeiro caso, a evolução é regida pelas mudanças ambientais, no segundo — a concorrência interna pela possibilidade de preservar linhagem. Nesta luta vencem as espécies mais "expressivas", levando ao surgimento de "assessórios" como caudas de pavão e cristas de galo, que dificultam sobrevivência.

    Hoje em dia, de acordo com Strotz, cientistas discutem frequentemente a natureza da seleção natural e como ela influencia a sobrevivência das espécies, não provocando debates entre evolucionistas desde a época de Charles Darwin e seus primeiros seguidores sobre a essência e os mecanismos da seleção natural.

    "Nós estávamos procurando entender se há quaisquer outros indicadores que levam à extinção ou à sobrevivência de uma espécie além de sua adaptação às mudanças ambientais. Por exemplo, chegamos a pensar se a velocidade do metabolismo poderia influenciar prazo de existência de uma espécie", continua biólogo na revista Proceedings of the Royal Society B.

    Para responder à pergunta, os cientistas analisaram conchas de mais de 300 espécies de moluscos existentes e extintos, que habitaram a costa do Atlântico nos últimos cinco milhões de anos, calculando e comparando a velocidade do metabolismo nos seus corpos.

    Vale destacar que "estilo de vida ativo" muito negativamente influenciou longevidade dessas espécies de invertebrados, ou seja, quanto mais rápido era o metabolismo, mais curta era sua vida evolutiva, com casos perceptíveis em ecossistemas mais fechados e superpovoados, de onde era difícil "fugir" ou se propagar em outras áreas.

    Cada ambiente contava com uma velocidade média de metabolismo, que não mudava mesmo com o surgimento ou extinção de espécies de moluscos, apesar das mudanças bruscas climáticas, extinções massivas e outros cataclismos.

    Em breve, biólogos planejam analisar se a regra pode ser aplicada a outros representantes da flora e fauna, incluindo animais vertebrados, que vivem no mar e na terra.

    "É como se a evolução contribuísse para sobrevivência das criaturas mais vagarosas e apáticas. Quanto mais lento é o metabolismo, maiores são as chances de a espécie sobreviver por muito tempo. Acredito ser preciso mudar nossos slogans: sobrevivem os mais preguiçosos, ao invés dos adaptados", concluiu Bruce Lieberman, da Universidade de Oxford, Reino Unido.

    Mais:

    Cientistas revelam segredo de um misterioso tubarão enorme (FOTOS)
    Sinistra previsão é exposta por cientistas: 'a vida tal como a conhecemos' acabará em 2040
    Cientistas russos podem ajudar seu cérebro a falar bem e tranquilamente
    Cientistas encontram seres vivos da era dos dinossauros
    Tags:
    seleção, evoluçao, preguiça gigante, molusco, Universidade do Kansas, Universidade de Oxford, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik