15:02 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O sistema automático russo do modelo Promobot v.3 em ação

    'Robocop' russo poderá prestar serviços na China e em outros países asiáticos

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    220

    A empresa russa Promobot elaborou um robô policial que entre 2019 e 2020 poderá começar a prestar serviços em países asiáticos, incluindo a China e Coreia do Sul, informa à Sputnik cofundador e chefe de um departamento da companhia, Oleg Kivokurtsev.

    Em julho de 2018, o robô foi incorporado no Ministério do Interior do Cazaquistão.

    "Planejamos espalhar este projeto também para outros países, já recebemos solicitações do Uzbequistão e de vários países do Oriente Médio, é provável que seja importado para países asiáticos, em particular para Coreia do Sul", comentou.

    De acordo com Oleg Kivokurtsev, o robô será capaz de patrulhar por 24 horas, gravar vídeos, identificar rostos, comparando com os dados da ficha policial de delinquentes, reagir a palavras-chave, tais como "terrorismo", "bomba" e outras, informando tudo à polícia. Além disso, conseguirá ler até mesmo impressões digitais.

    Em 2015, a Promobot assinou um acordo de cooperação com uma companhia chinesa e já entregou 10 robôs policiais à China. Espera-se ampliar presença no gigante asiático.

    A empresa, sediada em Perm (nos Urais), surgiu em 2015 e hoje em dia é a maior produtora de robôs autônomos na Rússia e no Leste e Norte Europeu. Ela efetua suas próprias pesquisas na esfera de engenharia mecatrônica, eletrônica e de identificação de rostos e de voz, exportando seus produtos para 25 países.

    Mais:

    'Fascinante': 1º dono da robô sexual Harmony compartilha experiência
    Pentágono desenvolve novo aplicativo de mensagem anônima, diz mídia
    Google admite monitorar usuários mesmo com serviços de localização desligados
    Empresa russa planeja substituir maior avião do mundo
    Tags:
    policial, identificação, robô, promobot, Coreia do Sul, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik