15:52 18 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Via Láctea

    Há uma pequena galáxia orbitando Via Láctea e não se sabe ao certo como ela foi parar lá

    CC BY 2.0 / Stuart Rankin
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3131

    Um grupo de astrônomos dos EUA e da Espanha explicaram a origem do corpo celeste Segue 1, considerado uma galáxia anã esferoidal ou um aglomerado globular.

    Conforme pesquisadores, é mais provável que Segue 1 seja uma galáxia que foi capturada pela gravidade da Via Láctea, comunica a edição Science Alert.

    Segue 1 pode corresponder a um satélite opaco da nossa galáxia que tem uma luminosidade inferior a 300 sóis, o que é pouco para um aglomerado globular. Ela é composta por estrelas velhas escassas em metal, o que pode significar que tenha surgido no Universo jovem, ou seja, quando a primeira ou segunda geração de estrelas ainda não tinham se tornado supernovas, sintetizando e proliferando elementos pesados.

    Astrônomos calcularam a trajetória da Segue 1 e descobriram que ela orbita a Via Láctea a cada 600 milhões de anos, como uma galáxia anã. De acordo com a teoria mais aceitável sobre seu surgimento, Segue 1 teria sido capturada pela nossa galáxia há uns oito bilhões de anos. Outra opção sugere que ela seja o maior satélite a colidir com a Via Láctea, porém, isso corresponde a apenas 25% de probabilidade.

    Mais:

    O que está por trás do rastro de matéria escura no centro da Via Láctea?
    Novo telescópio sul-africano capta FOTO nítida do coração da Via Láctea
    NASA mostra FOTO da misteriosa 'irmã' da nossa galáxia
    Maior e mais perigosa estrela da galáxia expulsa raios cósmicos (VÍDEO)
    Tags:
    corpo celeste, Via Láctea, galáxia, satélite, Espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik