23:37 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Incêndios florestais na Rússia, 30 de julho de 2012 (foto de arquivo)

    Cientistas norte-americanos preveem fortes cataclismos no Leste da Rússia

    © Sputnik / Yakov Andreev
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    215

    Um grupo de cientistas norte-americanos, após analisar dados de satélite e de observação ao longo de 38 anos, estabeleceu que o aquecimento global provocado pelo homem pode levar a um aumento da frequência e da força dos desastres naturais nas zonas orientais da Rússia e na Mongólia. A pesquisa foi publicada na revista Science.

    Os autores do novo trabalho estudaram vários modelos teóricos que descrevem o estado do clima antes e depois da Revolução Industrial. Os pesquisadores revelaram padrões característicos de flutuações sazonais de temperatura. Em seguida, eles compararam esses padrões com os dados das medições de temperatura na troposfera de 1979 a 2016, efetuadas por satélites, tendo estudado a diferença entre as temperaturas mínima e máxima de cada ano.

    Em resultado desta análise, os cientistas descobriram que o maior contraste entre o inverno e o verão acontece nas latitudes médias do Hemisfério Norte. Essa diferença é muito menor nos trópicos e as flutuações mais modestas são características da Antártida. Além disso, a diferença entre as temperaturas de inverno e de verão em algumas áreas do Hemisfério Norte foi significativamente maior do que os modelos previam. As diferenças mais fortes foram notadas na Mongólia e nas regiões orientais da Rússia.

    Segundo os cientistas, um aquecimento tão acentuado não pode ser explicado por fatores naturais. A diferença entre o verão e o inverno está aumentando devido às atividades humanas. Eles acreditam que esses processos podem levar a um aumento da frequência e da força dos desastres naturais.

    A partir do início do século XX, a temperatura média do ar aumentou em 0,74 graus Celsius, cerca de dois terços do aumento ocorreu depois de 1980. Cada uma das últimas três décadas foi mais quente do que a anterior, a temperatura do ar foi maior do que em qualquer década desde 1850. Baseado nos modelos climáticos, a magnitude provável do aumento da temperatura durante o século XXI será de 1,1 a 2,9 graus Celsius em caso de emissões mínimas para a atmosfera e 2,4-6,4 Celsius em caso de emissões máximas.

    Mais:

    Cientistas encontram vestígios de material nuclear de Fukushima em vinho californiano
    Cientistas preveem catástrofe ecológica no mar Báltico
    NASA publica FOTOS nunca antes vistas da incrível lua de Saturno
    Tags:
    clima, cataclismo, Mongólia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik