06:48 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    A Grande Fonte Prismática no Parque nacional de Yellowstone

    Rachadura de 30 metros de comprimento aparece perto do supervulcão de Yellowstone

    © AFP 2018 / Mark Ralston
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    12211

    As autoridades do Parque Nacional de Grand Teton, que fica perto do Parque Yellowstone (EUA), foram obrigadas a fechar várias zonas do espaço após descobrirem várias fendas nas rochas, escreveu o portal Jackson Hole News and Guide. Porém, os cientistas afirmam que não há razões para preocupações.

    As rachaduras, encontradas na zona Hidden Falls, surpreenderam a um grupo de guias de montanha que subiam uma parede rochosa em 18 de julho. As autoridades do parque decidiram fechar o acesso ao público por temerem que as pedras que se separam possam ferir alguém.

    "Eles [guias] comunicaram isso para os guardas do parque […] e quando eles foram para investigá-las [rachaduras], perceberam que estas haviam se tornado maiores e mais extensas", disse a porta-voz do parque de Grand Teton, Denise Germann.

    A maior fenda tem cerca de 30 metros de comprimento e se entende horizontalmente ao longo de uma parede rochosa que tem pelo menos 30 metros de altura.

    Logo após as notícias sobre a descoberta, as autoridades do parque descartaram o medo de uma erupção do vulcão de Yellowstone, afirmando que a rachadura e o fechamento posterior são "não têm nenhuma relação" com o vulcão de Yellowstone. 

    O Parque Nacional de Grand Teton está localizado em uma área geologicamente ativa 16 quilômetros ao sul de outro parque nacional, o de Yellowstone, que se encontra sobre um supervulcão ativo. A última erupção em Yellowstone ocorreu uns 630 mil anos atrás.

    Mais:

    'Bomba de lava voadora' deixa pelo menos 12 feridos na costa do Havaí
    Piloto grava lago de lava borbulhante ao pairar de tirolesa sobre vulcão (VÍDEO)
    Tags:
    Parque Nacional de Grand Teton, rachadura, rocha, vulcão, Yellowstone, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik