08:46 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Logotipo do aplicativo WhatsApp

    Novo Messenger ameaça 'acabar' com WhatsApp no 2º país mais populoso do mundo

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    5152

    O WhatsApp, aplicativo de mensagens instantâneas, poderia estar com os dias contados na Índia, já que um novo aplicativo Kimbho vem ganhando grande popularidade no país graças a novas funções, informou a mídia local.

    O Kimbho, que deve seu nome a uma expressão hindu usada para saudar informalmente, é capaz de efetuar chamadas de vídeo, enviar imagens, mensagens de texto e voz, proporcionando também a possibilidade de usar ampla gama de adesivos.

    O novo aplicativo foi lançado em uma versão experimental no dia 30 de maio, tendo sido baixado umas 300 mil vezes. No entanto, um dia depois, ele foi temporariamente removido do Google Play e da App Store devido a um problema de segurança. Seus desenvolvedores disseram estar esperando que a versão final do Kimbho seja lançada em dois meses.

    O objetivo dos criadores do Kimbho é fazer com que o WhatsApp perca monopólio no país asiático, onde há mais de 230 milhões de usuários em uma nação cuja população ultrapassa 1,3 bilhão de pessoas.

    "Por que não podemos construir nosso próprio Messenger com características superiores em que as pessoas podem confiar e que mantém dados de usuários dentro da Índia?", indagou Acharya Balkrishna, um dos desenvolvedores do projeto, citado pela edição Hindusran Times. Da mesma forma, Balkrishna afirmou que "as pessoas precisam de uma alternativa", expressando sua convicção de que o Kimbho se tornará o aplicativo de mensagens instantâneas mais usado no país asiático.

    Mais:

    Bloquearam você no WhatsApp? Esse truque permite contatar e ver foto do 'bloqueador'
    Boatos espalhados no WhatsApp incitam linchamentos de inocentes na Índia
    WhatsApp introduz nova função fazendo concorrência a Telegram
    Tags:
    aplicativo, WhatsApp, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar