08:07 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Uma sonda da NASA recolhendo amostras do solo marciano para a pesquisa

    NASA pode ter destruído evidências orgânicas em Marte há 40 anos

    © AFP 2018 / NASA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 41

    A existência de compostos orgânicos nativos à base de carbono em Marte foi confirmada apenas em 2014. Mas cientistas sugerem que a descoberta poderia ter sido feita há muito tempo.

    Em 1976, as sondas Viking da NASA pousaram em Marte para descobrir se a vida poderia se sustentar no planeta e se havia matéria orgânica no solo marciano. Os pesquisadores ficaram intrigados como o fato de que as evidências de moléculas orgânicas não foram encontradas, já que eles acreditavam que substâncias orgânicas poderiam ter sido levadas ao planeta através de meteoritos ricos em carbono.

    "Foi completamente inesperado e inconsistente com o que sabíamos", disse à revista New Scientist Chris McKay da NASA Ames Research Center (Cento de pesquisas da NASA, em português).

    Passados 30 anos, em 2008 a missão Phoenix da NASA detectou perclorato em Marte. O perclorato torna-se altamente explosivo quando aquecido. E quando a superfície de Marte não estava muito quente, a espaçonave Viking teve que aquecer as amostras do solo para encontrar as moléculas orgânicas. Como o perclorato está dentro do solo, qualquer material orgânico nas amostras teria sido queimado durante esse processo.  

    Apesar da descoberta do perclorato não fornecer prova de que havia compostos orgânicos de Marte destruídos acidentalmente na sonda Viking, surgiram questionamentos por parte dos cientistas. 

    "Há uma nova percepção de que tudo o que se pensava anteriormente estava errado", disse McKay.

    As suspeitas dos cientistas de que algo deu errado em 1976 aumentaram quando o veículo Mars Curiosity da NASA encontrou moléculas orgânicas e gás de metano no planeta vermelho.

    Chris McKay, em parceria com vários pesquisadores, reexaminou dados da missão Viking para saber se algum detalhe foi negligenciado. A equipe descobriu que as sondas da Viking também detectaram o clorobenzeno que, segundo os pesquisadores, poderia ter se formado a partir da queima de material orgânico nas amostras de solo.

    As opiniões da equipe de pesquisa sobre a origem do clorobenzeno não foram unânimes. Alguns cientistas afirmaram que as moléculas podem ter vindo da terra a bordo de espaçonaves da NASA.

    No entanto, a descoberta do clorobenzeno na sonda Viking anima os cientistas. 

    "Este artigo realmente selou o acordo", disse Daniel Glavin, do Centro de Voos Espaciais Goddar da NASA.

    Mais:

    Ameaça interplanetária: bactérias mutantes retornam à Terra do espaço mais agressivas
    Cientistas explicam por que vida na Terra ainda não foi extinta
    Cientistas apresentam mais evidências da existência de uma '2ª Terra'
    Tags:
    vida, sonda, cientistas, NASA, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik