10:46 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Celulares

    Empresas chinesas estariam vendendo celulares que espiam e roubam dados de seus usuários

    © REUTERS / Anindito Mukherjee
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    725

    Um artigo publicado pelo jornal The Washington Post nesta semana informou que dezenas de fabricantes de celulares, entre eles a empresa chinesa Xiaomi e a Huawei, bem como a norte-americana Blu, estariam espionando e comercializando os dados de seus usuários sem autorização.

    Segundo a análise, essas marcas trabalham em convênio com empresas de publicidade para dispositivos móveis, como a taiwanesa GMobil, que através da pré-instalação de software, principalmente em aparelhos de gama baixa, são capazes de acessar códigos diferentes (como o número IMEI ou o endereço MAC).

    As empresas Xiaomi e Huawei, por sua vez, negaram essas acusações e a GMobil afirmou que não é responsável por nenhuma atividade maliciosa ou ilegal.

    A empresa de segurança Upstream Systems, que identificou a atividade da Gmobil, destacou que objetivo da empresa taiwanesa é obter dados muito específicos, como a localização geográfica, e enviar ao usuário publicidade personalizada. Em troca dessas informações, a GMobil oferece aos fabricantes atualizações gratuitas de software e firmware.

    A Upstream Systems afirma que a GMobil pode ter parcerias com mais de 100 fabricantes de smartphones e ter presença em quase 2.000 modelos de smartphones Android de mais de 150 milhões de usuários em países como a Índia, Brasil, Paquistão, Vietnã e China.

    Vender smartphones baratos para atrair compradores, mas à custa de seus dados pessoais, é uma estratégia que funciona, sobretudo, nos países que carecem de leis rígidas de privacidade.

    Mais:

    ZooPark, novo vírus de celular que pode espionar toda a sua vida
    Vírus atinge sistema da usina nuclear de Chernobyl
    Cientistas: relações sexuais apareceram graças a vírus
    Tags:
    celulares, smartphones, Huawei, Brasil, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik