08:56 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Terra e Lua, vista do espaço

    Que impacto podem causar tempestades solares sobre a humanidade?

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    150

    No início deste mês, cientistas alertaram sobre uma leve tempestade magnética prevista para o final de junho. O fenômeno afetará apenas o funcionamento de equipamentos espaciais e terrestres. Por enquanto, não há nada a temer. No entanto, nem todos os fenômenos desse tipo têm sido assim tão "sutis".

    Tampouco são eventos astrofísicos que remontem à origem dos tempos há milhões de anos. Em 1859 houve uma "supertempestade", em uma época em que a humanidade estava suficientemente desenvolvida para ser capaz de perceber as consequências da ira estelar, embora não tenha havido necessidade de lamentar grandes perdas.

    Entre 28 de agosto e 2 de setembro de 1859, a Terra sofreu a tempestade magnética mais forte já detectada.

    Segundo o jornal russo Popmech, o Evento Carrington, batizado com o nome do cientista inglês que o descreveu, causou intensas auroras boreais mesmo em regiões onde esses fenômenos são tão incomuns como o Caribe.

    A força magnética afetou severamente o funcionamento do telégrafo, que não era muito desenvolvido naquela época, além de causar falhas e incêndios em todas as máquinas elétricas incipientes.

    Estima-se que, se um evento de poder semelhante acontecer hoje, a maioria da humanidade poderia mergulhar no caos.

    A Popmech enfatiza que os satélites de comunicação seriam "desligados", o que implicaria a perda de comunicação celular e dos sistemas de navegação. A rede mundial de Internet também seria severamente danificada.

    A tripulação da Estação Espacial Internacional perderia o contato com a Terra, e se algum deles estivesse naquele momento no espaço exterior, a onda de partículas expelidas pelo Sol seria capaz de matá-lo.

    Em relação às perdas econômicas, apenas o restabelecimento da rede global de satélites custaria à humanidade entre US$ 30 bilhões (R$ 114 bilhões) e US$ 70 bilhões (R$ 265 bilhões). Os danos totais chegariam a US$ 2 trilhões (R$ 7,5 trilhões) e a recuperação das infraestruturas demoraria muitos anos.

    Em 2016, o tema das explosões solares e tempestades magnéticas atraiu o interesse da mídia durante várias semanas. A Casa Branca publicou uma declaração em que buscava conscientizar a população do país norte-americano sobre esses fenômenos e alertava a todos para estarem preparados para uma possível tempestade solar poderosa.

    No entanto, prevê-se que eventos tão poderosos como o de Carrington geralmente aconteçam a cada 500 anos. Por sua vez, tempestades fortes podem ocorrer a cada 150 anos, o que significa que, neste caso, "o tempo" está próximo. Já as tempestades de menor potência acontecem regularmente e causam poucos danos.

    Mais:

    Detectar e destruir: NASA anuncia plano para salvar Terra de asteroides enormes
    Análogos da Terra? Investigadores descobrem 3 planetas novos do tamanho do nosso
    'Capaz de apagar países da face da Terra': analista sobre lançamentos de submarino russo
    Tags:
    consequências, tempestade magnética, humanidade, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik