02:39 23 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Homem olhando para Universo

    Por que nunca encontraremos vida extraterrestre? Físicos britânicos explicam

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    225

    Físicos britânicos chegaram a uma nova explicação mais lógica para o motivo de até agora não termos encontrado extraterrestres e aventam a possibilidade de nunca os encontrarmos.

    Eles escreveram sobre suas conclusões na revista Proceedings of the Royal Society of London A.

    "Colegas dizem que não encontramos vestígios de extraterrestres porque a vida inteligente surge raramente no Universo. Então ela tem que ser extremamente rara, desaparecer rapidamente ou se esconder de tudo. Todas essas explicações têm um caráter estranho e são pouco realistas", disse Anders Sandberg da Universidade de Oxford, Reino Unido.

    Mais de meio século atrás, o astrônomo norte-americano Frank Drake desenvolveu uma fórmula para calcular o número de civilizações em nossa Galáxia, com as quais é possível entrar em contato, com o intuito de avaliar as chances de encontrar vida e inteligência extraterrestres.

    O físico Enrico Fermi, em resposta à estimativa relativamente alta de contato interplanetário feita com ajuda da fórmula de Drake, formulou a tese que até hoje é conhecida como Paradoxo de Fermi: se existem muitas civilizações extraterrestres, por que a humanidade não tem visto evidências disso?

    Os cientistas tentaram resolver esse paradoxo de diversas maneiras, a mais famosa delas é a hipótese da Terra única. Ela afirma que é necessário um ambiente único para o surgimento de seres inteligentes, ou seja – uma cópia exata do nosso planeta.

    Outros astrônomos acreditam que não podemos contatar os extraterrestres porque as civilizações galácticas desaparecem rapidamente ou escondem bem o fato de sua existência da humanidade.

    Sandberg e seus colegas notaram que os dados iniciais da fórmula de Drake para estimar a probabilidade de civilizações no Universo são muito probabilísticos e imprecisos. Consequentemente, as respostas não correspondem à realidade.

    Os físicos britânicos corrigiram esse defeito recalculando a equação de Drake, levando em conta todos os possíveis erros e variações. Exemplo: a velocidade de formação de estrelas na Galáxia é incluída, assim como a proporção de estrelas com planetas semelhantes à Terra e a expectativa de vida típica das civilizações.

    Segundo os autores dessa ideia o paradoxo de Fermi não faz sentido – a ausência de vida no Universo visível pode ser totalmente explicada pela equação de Drake. Provavelmente, a humanidade ainda é atualmente o único grupo racional de criaturas na Galáxia, embora no futuro ou no passado possa haver ou ter havido outras civilizações.

    No entanto, Sandberg enfatiza que isso não significa que os projetos do Instituto para a Busca de Inteligência Extraterrestre (SETI, em inglês) e as iniciativas do Breakthrough Listen não fazem sentido. Ele afirma que essas observações são extremamente importantes para estreitar as variações nos valores dos parâmetros da equação de Drake e encontrar uma resposta real para a "questão principal" do Universo.

    Mais:

    Astrofísicos asseguram que extraterrestres 'roubam' estrelas
    Ufólogo acredita que extraterrestres querem impedir apocalipse nuclear
    Cientistas chineses descobrem origem de 'sinais extraterrestres'
    Tags:
    extraterrestre, Universo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik