03:09 17 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Escavações arqueológicas

    Pesquisadores encontram amuleto com mil anos, único em seu gênero (FOTO)

    © Fotolia / Krugloff
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50

    Durante as escavações em uma das áreas mais antigas de Jerusalém, os arqueólogos encontraram um pequeno amuleto islâmico com cerca de 10 séculos de antiguidade, informou o jornal Haaretz.

    De acordo com a Autoridade de Antiguidades de Israel, o achado data dos séculos IX e X d.C., a época do Califado Abássida, terceiro califado islâmico.

    O talismã tem uma inscrição bem preservada de duas linhas, em árabe, que pode ser traduzida como "Kareem crê em Alá, o Senhor dos Mundos é Alá", sendo Kareem provavelmente o nome do dono do amuleto. "Este tipo de amuletos serviam para proteção pessoal", comentou Yiftah Shalev, professor da Autoridade de Antiguidades de Israel, em entrevista a Haaretz.

    O talismã foi encontrado durante as escavações de um local anteriormente conhecido como o estacionamento de Givati, situado ao sul do Monte do Templo, área considerada o primeiro núcleo habitado da cidade.

    Amuleto islâmico encontrado durante escavações em Jerusalém
    © AFP 2018 / Gali Tibbon
    Amuleto islâmico encontrado durante escavações em Jerusalém

    Fino e pequeno, o amuleto pode ser único em seu gênero, assinalaram pesquisadores.

    Como é feito de argila friável, os investigadores acreditam que havia muitos outros objetos semelhantes, contudo, todos foram destruídos ao longo dos séculos, explicou Shalev. Provavelmente, este foi preservado por estar selado sob o fundamento de uma casa.

    Não há como saber se o talismã foi deliberadamente colocado sob o fundamento durante a construção, como uma espécie de ritual (para proteger a casa com a ajuda divina) ou se o suposto Kareem simplesmente o perdeu.

    Mais:

    Escavações em Israel provocam discussões bíblicas sobre 'governador' de Jerusalém
    Kremlin vai ser alvo de escavações
    Tags:
    escavação, Jerusalém
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik