09:39 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Laboratório

    Por que franceses optam por Moscou para fazer operações complicadas?

    © Sputnik / Aleksandr Kriazhev
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    490

    Em setembro deste ano, no hospital Maksimov de Moscou será internado o oitavo francês que sofre de esclerose múltipla. A Sputnik França falou com o hematologista do hospital onde o francês receberá um tratamento que não existe na França.

    A Jean-Christophe Chartier, de 52 anos, vão transplantar células estaminais. Para o francês, que sofre de esclerose múltipla, é uma operação difícil que será seguida por quimioterapia e um período de observação médica durante vários meses, mas esta é a única solução.

    "Quanto a mim, a esclerose múltipla afetou a medula espinhal e o cérebro e evolui para hemiplegia", explicou Jean-Christophe Chartier à Sputnik França. Na França, por exemplo, os médicos só prescrevem tomar todos os dias medicamentos que permitem retardar a evolução da doença, mas não se pode esperar uma melhoria.

    O francês assinala que durante os últimos anos a doença deixou de progredir, mas agora até os movimentos simples causam verdadeiras dificuldades, quer se trate de comer ou de vestir-se.

    Problema principal é falta de informação

    Jean-Christophe Chartier soube sobre esse tipo de tratamento no Facebook. Conforme ele, os doentes que sofrem de esclerose múltipla têm pouca informação sobre este método de tratamento, especialmente em francês, e enfrentam o chamado problema de "cautela exagerada de alguns médicos".

    Jean-Christophe Chartier
    © Foto : Arquivo pessoal
    Jean-Christophe Chartier

    "Muitas vezes é sublinhado o risco principal de 0,3% de mortalidade, mas quanto às vantagens do tratamento, isso não é suficientemente sublinhado. Mas em 83,3% dos doentes com doença remissiva não foi registrada deterioração ao longo de quatro anos após o transplante", explicou ele.

    Uma francesa, que foi tratada na Rússia, contou no site Alsace.fr que ela pode se levantar e fazer movimentos que antes não conseguia fazer.

    Um terço da experiência mundial

    Segundo explicou à Sputnik França o médico Denis Fedorenko, o tratamento começou a ser usado em 1997-1998 nos EUA e na Europa e em 1999 na Rússia, em São Petersburgo. O hospital abriu em Moscou em 2005 e os seus médicos, com base na experiência mundial e russa, provaram que o tratamento "é muito eficaz e relativamente seguro".

    Ele ressaltou que o método de transplantação pode ser usado não só para tratar a leucemia, mas também na cura de outras doenças, já que permite liquidar a causa da doença e destruir o sistema imune errado e agressivo.

    No entanto, esse tratamento não é reconhecido em todo o mundo. A França é exemplo disso. Na Rússia, Suécia, Reino Unido, Singapura e EUA os médicos podem usar tal tratamento.

    "Em todo o mundo fizeram cerca de 3.000 a 4.000 transplantações. Aqui fizemos 1.200. Como consequência, 30% da experiência mundial pertence-nos a nós", assinalou Fedorenko.

    O objetivo principal da operação é conseguir parar a doença. Mas 60% dos pacientes registram melhorias, adiciona o médico.

    Como é o tratamento?

    Segundo Denis Fedorenko, o tratamento leva um mês. Após um exame médico completo, no paciente são injetados preparados especiais que estimulam a saída das células estaminais da medula óssea ao sangue, depois uma máquina especial processa o sangue e escolhe as células estaminais, que são congeladas. Depois, realizam a quimioterapia, que destrói a causa da doença, ou seja, o sistema imune errado. Em seguida, as células são reintroduzidas no corpo que, ao receber o sinal que a pessoa não tem imunidade, começam a se reativar e a criar uma imunidade normal.

    Mas enquanto o sistema imune é destruído, enquanto o novo requer cerca de dez dias para ser criado, o paciente fica em uma enfermaria especial com o ar e água esterilizados, porque nesse período a pessoa fica muito vulnerável a quaisquer infeções. Um papel importante é desempenhado pelo exame médico durante a recuperação, bem como pelo estilo de vida saudável e por reabilitação correta.

    No entanto, há um risco de complicações graves que constitui 0,02% em cada 1.200 transplantes. Dois casos acabaram com a morte dos pacientes no hospital. "Essa experiência trágica ajudou a criar algumas tecnologias inovadoras para prevenir tais complicações", concluiu Fedorenko.

    Mais:

    Norte-americana vira modelo apesar de rara condição genética (FOTOS)
    Novos casos de ebola são confirmados no Congo despertando preocupação de autoridades
    Apresentadora de TV britânica posta foto impactante de rara doença
    Tags:
    doença, tratamento, hospital, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar