01:32 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Dólares norte-americanos

    Homem x natureza: banco responde quem custa US$ 320 bilhões ao mundo por ano

    © flickr.com/ sunshinecity
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 01

    Ameaças provocadas pelo homem, incluindo crises de mercado, crimes cibernéticos e conflitos entre nações são uma ameaça maior à produção econômica do que desastres naturais, segundo uma pesquisa feita pela instituição financeira Lloyd's.

    De acordo com o Índice de Risco da Cidade do Lloyd's, criado em colaboração com a Universidade de Cambridge, esses riscos têm um impacto anual estimado de US$ 320 bilhões do Produto Interno Bruto (PIB) global para 279 cidades. Eles são uma ameaça econômica muito maior do que furacões, inundações, terremotos e vulcões.

    O índice mediu o impacto de 22 ameaças (naturais e causadas pelo homem) e mostrou que 279 grandes cidades do mundo (com um PIB combinado de US$ 35,4 trilhões) arriscam perder, em média, US$ 546,5 bilhões por ano. Isso compreende US$ 320,1 bilhões para riscos criados pelo homem e US$ 226,4 bilhões para catástrofes naturais.

    A quebra do mercado financeiro foi apontada como a principal ameaça, uma vez que coloca em risco US$ 103,33 bilhões do total do PIB. O segundo maior risco é o conflito entre nações (com US$ 80 bilhões do total do PIB em risco), de acordo com a pesquisa. Ele é seguido por tempestades tropicais que representam uma ameaça de US$ 62,59 bilhões ao PIB total. A pandemia humana, o conflito civil, a inadimplência soberana, as inundações, os terremotos e os choques de preços de commodities compõem os dez principais riscos remanescentes.

    O presidente do Lloyd's, Bruce Carnegie-Brown, disse que um aumento no risco representado pelos crimes cibernéticos foi um dos principais destaques da pesquisa.

    "Não há dúvida de que o risco cibernético está aumentando e, quando fizemos este relatório três anos atrás, ele não apareceu [no índice] e é provavelmente o risco de desenvolvimento mais rápido em todo o mundo e eu não acho que ainda entendemos completamente a extensão esse risco", disse ele à rede CNBC.

    A maior parte do risco está concentrada em algumas regiões, de acordo com o relatório, que observou que dez cidades enfrentam um total combinado de US$ 126,8 bilhões em perdas potenciais para a produção econômica a cada ano. Tóquio é a cidade com maior risco (US$ 24,31 bilhões), e a principal ameaça que existe é um conflito interestadual (devido à sua proximidade com a Coreia do Norte).

    Nova York está em segundo lugar e a maior ameaça é a queda do mercado, com US$ 14,83 bilhões em risco. Ela é seguida por Manila, onde cerca de US$ 13,27 bilhões do PIB total da cidade estão em risco devido a uma tempestade tropical. Taipé, Istambul, Los Angeles, Xangai e Londres também estão entre as dez maiores entre riscos criados pelo homem ou desastres naturais.

    De acordo com Brown, o índice enfocou cidades, mostrando sua importância para a economia global.

    "O que se destaca do índice é a importância das cidades para a economia global. Eu acho que 54% da população mundial vive em cidades e elas representam 80% do produto interno global, a produção econômica em todo o mundo", declarou.

    Mais:

    Proposta de Trump a favor de petroleiras pode causar novos desastres nos EUA
    Inteligência russa: ciberataques pretendem provocar revoltas e desastres ecológicos
    Poluição mata mais que guerras, desastres naturais e fome
    Tags:
    Índice de Risco da Cidade, homem, desastres naturais, riscos, natureza, PIB, Lloyd's, Universidade de Cambridge, Bruce Carnegie-Brown, Estados Unidos, Tóquio, Nova York, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik