00:15 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Guerra do futuro (imagem ilustrativa)

    Físico prediz futuro 'pior do que extinção' para nossa civilização

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    12284

    Se o universo é vasto ao ponto de a existência de civilizações extraterrestres parecer garantida, por que ainda não detectamos nenhum traço de sua presença? O Paradoxo de Fermi há décadas preocupa cientistas. Mas um físico teórico russo propõe uma explicação e prediz "um futuro para nossa civilização até pior do que a extinção".

    Aleksandr Berezin, físico da Universidade Nacional de Pesquisa de Tecnologia Eletrônica, explica sua hipótese em um artigo intitulado "Primeiro a entrar, último a sair: uma solução para o Paradoxo de Fermi", citado pelo RT. A primeira versão do artigo foi publicada no arquivo digital ArXiv a ainda deve ser revisada por outros cientistas.

    Em primeiro lugar, o físico destaca que na resolução do paradoxo a natureza específica das possíveis civilizações extraterrestres "não deverá importar", pois o único fator relevante é a possibilidade de esta civilização ser detectável para outras a certa distância da Terra.

    Se uma civilização alienígena não atinge o nível tecnológico suficiente para ser detectável por outras, seja através de viagens espaciais ou comunicação interestrelar, mesmo assim pode existir, mas não nos ajuda a resolver o paradoxo.

    Destruição sem querer

    Agora a assustadora hipótese de Berezin pressupõe que a primeira vida a ser capaz de realizar uma viagem interestrelar poderá querer "eliminar todos os concorrentes para abastecer sua própria expansão".
    O autor do artigo sublinha que não quer dizer que uma civilização altamente desenvolvida destrua outras formas de vida conscientemente.

    O mais provável, segundo Berezin, é que "eles simplesmente não se deem conta, da mesma maneira que uma equipe de construção demole um formigueiro para construir um imóvel porque não tem incentivo para proteger [formigueiro]".

    Formigas ou destruidores?

    O físico estaria sugerindo que seríamos as formigas?— pergunta-se o RT. Muito pelo contrário, porque "estamos aqui, nosso planeta e estrela continuam relativamente intactos e já estamos contemplando as primeiras sondas interestrelares", aponta.

    Assim, talvez sejamos nós os futuros destruidores dos mesmos mundos que temos buscado todo este tempo. "A única explicação é a invocação do princípio antropológico. Somos os primeiros a chegar à etapa [interestrelar]. E, o mais provável, seremos os últimos a partir", conclui o autor do artigo.

    Mais:

    Revelado 'candidato número 1' do Sistema Solar para abrigar vida extraterrestre
    'Barulho espacial' nunca mais: novo idioma será criado para se comunicar com ETs
    Tags:
    extinção, alienígena, civilização, físico, vida extraterrestre, enigma, universo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik