23:29 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Pessoas trabalhando em notebooks em frente ao símbolo do Google em Hanover, Alemanha (foto de arquivo)

    Dados pessoais coletados por Google aproximam aparecimento de 'drones assassinos'

    © AP Photo / Jens Meyer
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    483

    A Google está cooperando com o exército estadunidense para criar projetos de inteligência artificial que possam ajudar os drones a distinguir automaticamente entre objetos e pessoas. A iniciativa se chama "Projeto Maven" e parece que alguns funcionários da corporação não estão nada felizes com ele.

    O portal Gizmodo relata que mais de 3.000 pessoas já assinaram uma petição pedindo para se acabar com tal parceria, enquanto cerca de uma dezena de funcionários se demitiu em protesto.

    Há décadas, foi o exército estadunidense que impulsionou tais inovações como o primeiro PC e a Internet. Hoje em dia, as capacidades da tecnologia digital, especialmente da inteligência artificial, aprendizado de máquina e análise de dados, estão sendo promovidos por empresas privadas, tais como a Amazon e a Google.

    Peter Asaro é filósofo de ciência e tecnologia na Nova Escola de Nova Iorque e é um dos 100 acadêmicos que assinaram uma carta em protesto contra a parceria entre a Google e o Departamento de Defesa.

    Para ele, a colaboração entre as estruturas militares dos EUA e as grandes empresas de tecnologia como a Google aproximam o aparecimento de armamentos autônomos — aqueles que podem encontrar, alvejar e eliminar o alvo sem a participação do homem.

    "O prazo para nós vermos estes sistemas será aproximado drasticamente caso a Google se envolva na construção de componentes-chave das armas autônomas", disse.

    O problema é que a Google tem na verdade ao seu dispor a chave para resolver os principais obstáculos no andamento do projeto — as informações.

    Ao longo dos anos, nós temos entregue à Google nossas informações em troca de serviços on-line, tais como a busca e o e-mail. Estes dados permitiram que a empresa fizesse grandes avanços no campo da inteligência artificial, análise de dados e aprendizado de máquina. Todas essas ferramentas construídas em base de um monte de dados fazem com que a Google seja ideal para ajudar no aperfeiçoamento de drones militares.

    Segundo relata a mídia, a Google se recusou a comentar o assunto. Sabe-se que seus produtos, como o correio eletrônico e os mapas, têm gerado muita confiança popular ao longo dos anos. Porém, assinalam os críticos, se as pessoas tivessem previsto a hipótese de o governo ter acesso a suas informações, a situação poderia ter sido outra.

    Vários funcionários da Google assinalam que não querem que a empresa de tecnologia ajude a produzir armas de guerra.

    Em uma carta aberta ao seu chefe, os funcionários perguntaram como o desenho de máquinas assassinas se enquadra no conceito da empresa. Particularmente, eles se referiram ao antigo lema da companhia. Até recentemente, ele era "Não seja mau" ("Don't Be Evil"). Agora, passou para "Faça o correto" ("Do The Right Thing").

    Mais:

    OVNI ou missão secreta do Pentágono? Algo estranho sobrevoa Texas (VÍDEO)
    Ponte da Crimeia surge no Google Maps com atraso
    Google e Facebook contribuem para a manipulação política?
    Tags:
    dados pessoais, drones, inteligência artificial, Departamento de Defesa dos EUA, Pentágono, Google, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik