14:23 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    iPhone

    Nova invenção da Apple torna iPhone 'amigo' ideal de espiões

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50

    A companhia norte-americana Apple adicionará uma função a seus modelos de iPhone e iPad que reduzirá significativamente as possibilidades de acessar dados dos dispositivos sem aprovação do proprietário, afirmam especialistas da empresa de software ElcomSoft com sede em Moscou.

    "Depois de ler a documentação da Apple e resultados da pesquisa e desenvolvimento do software beta, descobrimos uma nova e maior função de segurança que vai ser lançada no iOS 11.4", diz-se no site da empresa ElcomSoft.

    A atualização desativa o uso da conexão USB do iPhone ou iPad se o dispositivo permanece bloqueado durante uma semana. A nova opção descarta o intercâmbio de qualquer tipo de dados via USB, mas ao mesmo tempo não afeta de nenhuma maneira a capacidade de ser carregado. 

    Geralmente, quando a polícia ou serviços especiais (como ocorreu com a FBI quando quis entrar no celular do terrorista Sayed Farook) não conseguem acessar o iPhone de um suspeito, o dispositivo inteligente é guardado como prova por um tempo indefinido até um especialista em tecnologia poder acessá-lo, escreve o RT.

    No entanto, o novo modo de restrição de acesso à conexão USB elimina a opção de armazenagem prolongada, já que em sete dias o dispositivo deixará de reconhecer se está conectado a um computador. Deste modo, elimina-se a possibilidade de usar a conexão USB para hackear o aparelho.

    Independentemente do prazo que permaneça bloqueado, o dispositivo volta a ativar a capacidade de conexão via USB apenas se introduzir a senha que desbloqueia o telefone.

    Mais:

    Robôs vão matar pessoas e 'resta esperar que não comecem a gostar', diz futurólogo
    Mudança radical que você certamente não vai curtir está esperando WhatsApp
    Tags:
    celular, atualização, ataque hacker, iPad, iOS, iPhone, Apple
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik