19:48 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Espessas nuvens de gás escondem a superfície de Vênus, o segundo planeta mais perto do Sol, dos seus raios fortes.

    Cientistas da NASA predizem destino 'infernal' para Terra

    © Foto: Ron Miller
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    7149

    A Terra poderia se transformar em um planeta inabitável com nuvens de ácido sulfúrico e superfície extremamente quente, seguindo o destino de Vênus, advertem os cientistas da NASA.

    Os pesquisadores da agência espacial norte-americana supõem que no passado, Vênus poderia ter tido condições parecidas com as da Terra e aptas para a vida.

    Vênus se tornou inabitável na medida em que o Sol ficava cada vez mais luminoso.

    Atualmente, a atmosfera desse planeta é 90 vezes mais densa que a da Terra, enquanto a temperatura da sua superfície atinge 460 ℃.

    "Embora Vênus fosse habitável em algum momento […] não poderia escapar de seu destino inevitável. Todas as principais estrelas se tornam mais luminosas com o tempo, fazendo com que os limites da zona habitável sejam cada vez mais distantes", afirmam os autores da pesquisa.

    Isto é, o possível destino da Terra pode ser muito semelhante, predizem os cientistas Giada Arney e Stephen Kane, ressaltando a importância de estudar Vênus.

    Além disso, os pesquisadores levam em consideração a crescente atividade do Sol. Em particular, eles acreditam que a crescente luminosidade do Sol poderia causar que as fronteiras da zona habitável se movessem mais longe da Terra.

    O processo pode levar milhões de anos, até que a Terra esteja em condições similares às de Vênus.

    Mais:

    Mars 2020: escudo térmico sofre avaria, mas NASA garante lançamento de missão
    NASA envia esperma humano ao espaço em pesquisa determinante para o futuro da humanidade
    NASA conseguiu detectar Cavaleiro Negro, satélite de origem extraterrestre?
    Tags:
    áreas inabitadas, atividade solar, NASA, Vênus, Sol, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik