15:46 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Adolf Hitler por volta de 1930

    Elon Musk conta quem pode ser próximo Hitler para humanidade

    © AP Photo /
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    232419

    O empresário estadunidense e chefe das empresas SpaceX e Tesla, Elon Musk, acredita que no futuro a inteligência artificial pode criar um "ditador eterno".

    Do ponto de vista do empresário, o desenvolvimento da inteligência artificial pode levar a que esta passe a governar o mundo de alguma forma.

    "O futuro menos aterrorizante que eu posso imaginar é aquele em que nós, pelo menos, seremos capazes de democratizar a IA, pois caso uma empresa ou um pequeno grupo de pessoas possa elaborar uma superinteligência do tipo divino, eles poderão conquistar todo o mundo", prognosticou Musk no documentário "Será que você confia em seu computador?".

    Musk frisou que a Terra já conheceu ditadores, por exemplo, Hitler e Mussolini, mas eles, ao contrário da inteligência artificial, eram mortais. Já no caso da IA, tudo fica muito mais tenebroso. Para mais, esta "nem precisa ser má" para eliminar a humanidade, opinou o empresário.

    "Caso ela tenha algum objetivo e a humanidade seja um obstáculo, ela a eliminará sem hesitar. Nada de pessoal", adiantou.

    Esta já não é a primeira vez que Musk partilha suas preocupações sobre os riscos que nos proporciona a inteligência artificial. Particularmente, ele pressupôs que devido à concorrência nesta área pode irromper uma Terceira Guerra Mundial.

    Além disso, ele tem frisado que a humanidade deve se esforçar para construir estações em Marte e na Lua para se reestabelecer lá em caso de surgimento de uma nova "idade das trevas".

    Mais:

    Cientistas culpam Elon Musk por criar enorme buraco na noosfera
    Elon Musk anuncia criação de 'império mediático intergaláctico'
    Aventura de Musk: primeiros voos da nave 'marciana' começarão em 2019
    Tags:
    inteligência artificial, Tesla, SpaceX, Adolf Hitler, Elon Musk, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik