23:26 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Arqueólogos trabalhando no lugar de escavações de Olorgesailie

    Estudo revela técnicas avançadas de homens antigos (FOTOS)

    © REUTERS / Smithsonian
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 51

    Antropólogos do Museu Nacional da História Natural dos EUA e sua equipe internacional de colaboradores descobriram que os homens pré-históricos que viviam na África Oriental mais de 320.000 anos atrás usavam tinturas e instrumentos mais sofisticados do que se considerava até agora.

    Isso mesmo indicam os resultados da investigação internacional publicada na revista científica Phys.org. Conforme a publicação, quase meio milhão de anos atrás, os nossos antepassados tiveram que enfrentar um período de extrema instabilidade ambiental. Enquanto os terremotos remodelavam a paisagem e o clima entre grandes ciclos de condições úmidas e secas, os primeiros homens foram obrigados a se focar na inovação técnica, redes de intercâmbio social e na primeira comunicação simbólica para poder sobreviver.

    "A transição para o comportamento mais sofisticado, que requeria maiores habilidades mentais e vida social mais complexa, poderia ter sido o avanço que distinguiu a nossa linha de outros humanos primitivos", afirma Rick Potts, diretor do Programa de Origens Humanas do Museu Nacional da História Natural dos EUA.

    Os artefatos que levaram os cientistas a essa conclusão foram encontrados na jazida de Olorgesailie, no Quênia atual. A primeira evidência de vida humana nesse lugar provém de há cerca de 1,2 milhão de anos. Durante centenas de milhares de anos, as pessoas que viviam lá fabricavam e utilizavam grandes ferramentas de corte de pedra chamadas ‘hand axes' (martelos de mão, em inglês). A partir de 2002, Potts e a sua equipe descobriram na bacia uma variedade de ferramentas mais pequenas e de forma mais cuidada.

    Cerca de 320.000 anos atrás as pessoas na África Oriental começaram a produzir ferramentas sofisticadas como estas. Muitas foram desenhadas para se fixar a um cabo e potencialmente usadas como projéteis de armas, enquanto outras tinham a forma de raspadores e furadores.

    Até agora se considerava que datavam de uns 60.000 anos, mas a datação isotópica revelou que as ferramentas foram fabricadas entre 305.000 e 320.000 anos atrás.

    O mistério aumenta, pois não foram encontrados fósseis de homens no local, por isso continua sendo desconhecido exatamente que espécie usava estas ferramentas. Os restos mais antigos de Homo sapiens conhecidos têm uns 315.000 anos de antiguidade, por isso podia se tratar de outros homens mais antigos, como Homo heidelbergensis, vastamente espalhado por África e Europa na época.

    Por centenas de milhares de anos, as pessoas que viviam na bacia de Olorgesailie usavam ferramentas de corte de pedra chamadas martelos de mão.

    A equipe também descobriu pedras negras e cor-de-rosa nestes sítios, junto com a evidência de que elas foram processadas para serem usadas como tintas. O uso simbólico de pigmentos requer uma mente capaz de entender abstrações, apontam os investigadores, o que aproxima essa espécie muito do nosso pensamento moderno e a faz altamente desenvolvida para a sua época.

    Mais:

    Múmia 'extraterrestre' peruana: cientistas russos revelam primeiros resultados de análises
    Necrópole com 2.000 anos é descoberta no Egito (FOTOS)
    Recente descoberta pode ser maior achado bíblico na história da humanidade
    Tags:
    fósseis, instrumento, arqueologia, descoberta, homem, África Oriental
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik