01:21 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Funcionários da empresa russa Energomash junto a motores de foguete RD-180, preparados para ser transportados para os EUA, Moscou, Rússia

    EUA estão no 'caminho certo' para substituir motor de foguete russo RD-180

    © AP Photo / Maxim Marmur
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    16517

    O empenho dos EUA em substituir o motor de foguete russo RD-180 por duas produtoras norte-americanas está progredindo como planejado, declarou o comandante do Estado-Maior da Força Aérea dos EUA, David Goldfein, durante audiência no Congresso na quarta-feira (14).

    Quanto à substituição do motor RD-180, após realização de testes bem-sucedidos do motor de foguete BE-4, considerado análogo do RD-180 russo, Goldfein respondeu: "Agora estamos no caminho certo… para finalizar a transição [e] suceder duas prestadoras de serviços domésticas."

    Ele frisou que a Força Aérea dos EUA se comprometeu a disponibilizar acesso a toda a orbitologia para qualquer plataforma estabelecida na órbita geossíncrona baixa ou alta.

    O programa espacial dos EUA conta com o motor RD-180 para energizar a primeira etapa do foguete Atlas V, o único veículo norte-americano capaz de enviar carga pesada ao espaço.

    Em janeiro, o veículo de lançamento Atlas V com satélite GEO-4 foi lançado do Cabo Canaveral. O motor RD-180 da primeira etapa foi separado com sucesso.

    Em 2014, o Congresso dos EUA adotou uma lei exigindo que os EUA se livrassem dos motores RD-180 russos.

    Antes, o Pentágono havia declarado que planeja deixar de usar motores russos assim que possível, ou seja, assim que apareçam substitutos dignos.

    Mais:

    Mídia: EUA precisam dos motores russos para foguetes e não conseguem substituí-los
    Fracassam os testes de motor americano semelhante ao russo RD-180
    Saiba por que motores de foguetes russos continuam sendo melhores no mundo
    Tags:
    motor, programa espacial, foguete, RD-180, David Goldfein, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik