04:52 17 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Vulcão em erupção (foto de arquivo)

    Mundo não está preparado para uma erupção catastrófica, garantem especialistas

    CC BY 2.0 / Walter Lim / The Day the Volcano Erupted
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    230

    Uma equipe de vulcanólogos advertiu que os governos mundiais estão praticamente despreparados para a próxima erupção vulcânica cataclísmica, o que pode desencadear a morte, destruição e migração sem precedentes em escala global.

    A escala do Índice de Explosão Vulcânica (VEI) classifica os incidentes de erupção e corre de 0 a 8. As erupções designadas como eventos de nível VEI-7 ocorrem apenas uma ou duas vezes a cada 1.000 anos, mas produzem pelo menos 100 quilômetros cúbicos de cinzas, enxofre, dióxido de carbono e outros gases vulcânicos que circundam a Terra várias vezes.

    "A próxima erupção VEI-7 pode ocorrer dentro de nossas vidas, ou pode ser há centenas de anos na estrada", disse Chris Newhall, um vulcanólogo nas Filipinas e principal autor de um novo artigo publicado na revista Geosphere. O estudo examina as consequências de um possível evento VEI-7 na era moderna.

    O último evento VEI-7 foi a erupção Tambora de 1815 na Indonésia. Ela matou dezenas de milhares de pessoas e levou a um "ano sem verão" na Europa e na América do Norte. Foi tão poderoso e tão destrutivo que se acredita ter precipitado um período frio de séculos conhecido como a Pequena Idade do Gelo.

    Estudo

    Newhall, juntamente com os co-autores como o vulcanologista Stephen Self, da Universidade de Berkeley, na Califórnia, e Alan Robock, cientista climático na Universidade Rutgers em New Brunswick, Nova Jersey, estudaram os eventos VEI-5 e VEI-6 no Monte St. Helens, no Estado de Washington em 1980, e Monte Pinatubo nas Filipinas em 1991, respectivamente. Ambas as erupções mataram dezenas de pessoas e perturbaram regiões inteiras.

    O evento Pinatubo (VEI-6) liberou bastante dióxido de enxofre na estratosfera para iniciar um período de resfriamento global. No entanto, uma erupção VEI-7 seria muito mais devastadora, em uma área de impacto muito maior.

    "Hoje, as populações dentro de 100 quilômetros de vulcões candidatos variam de menos de 1.000 pessoas em áreas remotas a entre 20 e 30 milhões de pessoas perto de vários candidatos na Indonésia e nas Filipinas", escreveram os autores.

    "Essas coisas são extremamente importantes para o planeta, mas a próxima ocorrerá em um ambiente bastante diferente", disse Robock em um comunicado de imprensa. As erupções em determinados locais críticos poderiam desestabilizar os centros financeiros, as economias nacionais e até mesmo a paz entre as nações com efeitos sentidos ainda mais pelo nosso "mundo de alta tecnologia, globalmente interdependente", argumentam os autores.

    Para colocar as coisas num contexto moderno, a erupção do Eyjafjallajökull na Islândia, em 2010, que interrompeu as viagens aéreas europeias e norte-americanas por dias, resultando em uma perda econômica estimada de US$ 5 bilhões, foi apenas uma VEI-3. Com este exemplo em mente, Newhall e sua equipe acreditam que o mundo, tão moderno e interconectado como ele, está muito pouco preparado para uma erupção mais poderosa igual ou maior que a erupção VEI-6 do Monte Pinatubo.

    "Dada a logística incrivelmente complexa de alimentos, água, cuidados de saúde e outros suprimentos em uma área urbana, imagine o pesadelo logístico se o transporte dentro de uma grande cidade fosse interrompido até uma semana ou duas. Milhões de pessoas com fome não ficam quietas para sempre. A liderança nacional pode ser desafiada e substituída", acrescentaram os pesquisadores.

    A equipe pediu mais pesquisas sobre o impacto potencial das mudanças na umidade atmosférica e a dispersão de cinzas vulcânicas em sistemas de posicionamento global, críticos para as redes de distribuição aérea e marítima das quais depende a economia global.

    Alvos potenciais

    Newhall e seus colegas pesquisadores também identificaram uma série de potenciais candidatos para o próximo VEI-7, incluindo, entre outros: Mounte Damavand, no Irã, que fica a apenas 50 quilômetros de fora de Teerã, ou Taupo, na Nova Zelândia, o local do último VEI-8 do mundo — evento que ocorreu cerca de 26.500 anos atrás.

    "A preparação para eventos de baixa probabilidade, mas de alta consequência, é difícil de imaginar, mas algumas medidas iniciais modestas podem ser consideradas", concluiu a equipe, acrescentando: "vamos fazer o que pode ser feito, dentro da razão, planejar e se preparar para um evento VEI-7".

    Mais:

    Coberta de lava, GoPro continua funcionando e capta imagens únicas de um vulcão no Havaí
    Vulcão está a ponto de entrar em erupção? Canárias mostram atividade sísmica 'pouco comum'
    Cosmonauta russo fotografa o despertar do vulcão mais alto da Eurásia (FOTOS)
    Tags:
    Eyjafjallajökull, catástrofe, erupção, vulcões, Índice de Explosão Vulcânica (VEI), Chris Newhall, Alan Robock, Stephen Self, Estados Unidos, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik