08:24 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Pinguins-de-adélia

    Cientistas descobrem 'megacidade' com 1,5 milhões de habitantes na Antártida (FOTOS)

    © Sputnik / Vladimir Chistyakov
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4154

    Uma equipe internacional de cientistas descobriu uma colônia de pinguins-de-adélia na península Antártica com mais de 1,5 milhão de aves, um dos maiores agrupamentos do mundo, informou um estudo publicado na revista Scientific Reports.

    Esta "megacolônia" de pinguins-de-adélia foi encontrada nas Ilhas Danger, no mar de Weddell, na zona leste da península Antártica, um lugar de difícil acesso e raramente visitado. A descoberta se tornou possível com ajuda de imagens de satélite e fotografias aéreas tiradas por drones, que revelaram a existência de mais de 750.000 pares de pinguins-de-adélia.

    Posteriormente, foram analisadas imagens de satélite que datam de 1959 e se descobriu que a colônia dessas aves tem permanecido estável desde então. Pelo contrário, as colônias de pinguins-de-adélia no lado oeste da península, onde o impacto das mudanças climáticas e a atividade humana são maiores, está diminuindo.

    Os pesquisadores afirmam que a Ilha Danger é um refúgio vital para várias espécies perante as mudanças climáticas e a atividade humana.

    "O tamanho desta colônia a torna regionalmente importante e defende a expansão das propostas Áreas Marinhas Protegidas de Weddell para incluir nelas as Ilhas Danger. Além disso, acredito que sublinha a necessidade de uma melhor proteção da zona ocidental da península Antártica, onde estamos observando diminuições" da colônia de pinguins, disse Tom Hart, da Universidade de Oxford (Reino Unido) e que fez parte da equipe de cientistas, citado pelo jornal The Guardian.

    Mais:

    Cientistas descobrem o porquê dos 'crânios extraterrestres' dos incas
    Cientistas revelam 'passado violento' de asteroide parecido com nave extraterrestre
    Tags:
    pinguins, natureza, cientistas, Antártida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik