14:52 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Sinal de radiação em frente da usina nuclear em Chernobyl

    Perto da Rússia é detectada partícula radioativa enigmática

    © AFP 2018/ ANATOLII STEPANOV
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    341

    Na região das ilhas Aleutas, estado do Alasca, à altitude de sete quilômetros, foi detectada uma partícula aerossol com uma certa quantidade de urânio enriquecido.

    O fato é indicado em uma pesquisa de um grupo de investigadores dos EUA e Noruega publicada na revista científica Journal of Environmental Radioactivity.

    No estudo se salienta que, durante vinte anos de observações, os pesquisadores detectaram pela primeira vez na atmosfera uma partícula contendo alta concentração do isótopo de urânio U-235. A maior parte das partículas aerossóis é fruto da combustão de combustível pesado.

    A análise de trajetórias do vento e os modelos de dispersão de partículas aéreas mostra que essa quantidade de partículas pode ter tido origem em um dos países asiáticos: China, Coreia do Norte ou Japão.

    Os cientistas sublinham que as partículas contendo o isótopo U-235, "certamente não são de origem natural". Com isso, os cientistas não podem determinar a sua origem com exatidão.

    "O trabalho científico foi publicado pois queríamos saber se alguém que sabe do urânio mais do que nós poderá estabelecer a origem da partícula", declarou um dos autores da pesquisa Dan Murphy.

    Mais:

    Investigação: na usina nuclear de Chernobyl aconteceu explosão nuclear
    Substâncias radioativas aparecem no ar alemão; de quem é a culpa? Da Rússia, obviamente
    Argélia: testes nucleares da França de 1960 continuam matando pessoas
    Tags:
    pesquisa, urânio, radiação, partículas, Alasca, Aleutas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik