12:29 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Figura de viking

    Arqueólogos encontram na Inglaterra vestígios do lendário Grande Exército dos vikings

    CC0 / Pixabay
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1112

    Uma vala comum gigante descoberta no norte da Inglaterra há quarenta anos é o lugar de descanso final do lendário Grande Exército Pagão que saqueou os reinos celtas da Grã-Bretanha durante a Idade Média, lê-se em um artigo publicado na revista Antiquity.

    "A datação correta dos restos mortais dessa vala é muito importante para nós. Não sabemos praticamente nada sobre as primeiras invasões dos vikings contra a Inglaterra, que foram a base para a criação dos primeiros povoados escandinavos na ilha", disse Cat Jarman da Universidade de Bristol (Reino Unido).

    Segundo a Crônica Anglo-Saxã, pequenos grupos de vikings começaram invadindo a costa oriental da Inglaterra no século VIII. Os escandinavos entenderam rapidamente que os mosteiros e igrejas eram presas fáceis cheias de riqueza e o número das invasões aumentou significativamente nas décadas seguintes.

    Quando os reis e senhores feudais anglo-saxões começaram lutando contra os invasores, os vikings mudaram sua tática e enviaram à Inglaterra um exército enorme que era constituído de milhares de guerreiros originalmente da Dinamarca e da Noruega. Atingindo a costa da ilha em 865, os vikings destruíram as forças da Nortúmbria e ouros reinos anglo-saxões na costa leste e rumaram ao interior do país.

    Eles conseguiram conquistar Mercia, um dos dois reinos mais fortes dos anglo-saxões. Despois da vitória, os guerreiros escandinavos decidiram invernar na cidade de Repton, no atual condado de Derbyshire.

    No final dos anos 70, os arqueólogos descobriram um grande sepulcro perto de uma igreja de Repton onde estavam sepultadas mais de 200 pessoas. Tendo em consideração a forma de enterro, os cientistas decidiram que essa vala comum era um vestígio do Grande Exército.

    Entretanto, essas esperanças foram destruídas depois de abertura da vala. Segundo a análise por radiocarbono dos restos mortais, eles datam do século VII ou VIII, se acumulando ali durante muitas décadas, e não do século IX. Ao mesmo tempo, os fragmentos dos artefatos e armas tinham a idade “correta” que correspondia às datas da invasão do Grande Exército. Isso causou grande polêmica entre os cientistas.

    Jarman e seus colegas realizaram mais uma análise dos restos mortais, tomando em conta um detalhe que os seus antecessores não sabiam: a ligação entre a dieta e a composição isotópica dos ossos e outros tecidos orgânicos.

    "Se comemos apenas peixe ou outros mariscos, uma grande quantidade de carbono entra no nosso organismo cuja idade é 'maior' que a do carbono que entra no nosso organismo pela comida terrestre. Isso influencia os resultados da análise", explicou Jarman.

    Levando em conta esse fato, os cientistas estimaram que todas as pessoas da vala foram enterradas quase simultaneamente em 872-885 a.C., o que corresponde às datas em que os guerreiros do Grande Exército decidiram invernar em Repton.

    No futuro próximo, Jarman e seus colegas planejam reverificar a idade das outras valas comuns da alta Idade Média encontradas no leste da Inglaterra para eventualmente descobrir novos vestígios do Grande Exército.

    Mais:

    Saga transatlântica: navio viking chega à baía de Nova York após viagem oceânica
    Arqueóloga usa satélite para encontrar povoado viking na América do Norte
    Tesouros da era viking achados na Dinamarca
    Tags:
    vala comum, arqueologia, cientistas, viking, Escandinávia, Dinamarca, Inglaterra, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik